Aracaju, 3 de agosto de 2021

CORREIOS E HOSPITAL CIRURGIA FAZEM ACORDO SOBRE PEÇA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

ECT vai pagar o valor referente a uma nova peça para a máquina de radioterapia. A compra deverá ser feita pelo hospital.

Durante audiência de conciliação realizada pela Justiça Federal na manhã desta sexta-feira (29), os Correios se comprometeram a pagar o valor referente a uma nova peça de reposição para a máquina de radioterapia do Hospital Cirurgia, bem como os custos de envio. A compra, contudo, deverá ser feita pelo hospital, já que, se fosse feita pelos Correios, seria necessária a realização de procedimento licitatório.

Participaram da audiência, conduzida pelo juiz Edmilson Pimenta, o diretor dos Correios em Sergipe, Washington Bonfim, o diretor do Hospital Cirurgia, Gilberto Santos, o procurador Ramiro Rockenbach, do Ministério Público Federal, além dos advogados das duas partes. “Nosso interesse é resolver essa questão o mais rapidamente possível, para que os pacientes com câncer atendidos no Cirurgia possam retomar seus tratamentos o quanto antes”, explicou Washington Bonfim.

Os representantes dos Correios explicaram que, mesmo que conseguissem efetuar uma compra emergencial, com dispensa de licitação, seriam gastos, no mínimo, 30 dias, caso houvesse disponibilidade da peça no mercado nacional. Os Correios explicaram que, além de não terem expertise nesse tipo de aquisição, por serem uma empresa pública, existe uma série de restrições e procedimentos obrigatórios que teriam que ser observados, o que inviabilizaria uma compra rápida.

O setor de compras da Diretoria Regional dos Correios em Sergipe já realizou pesquisas e identificou uma peça disponível em Orlando (Flórida), Estados Unidos. O fornecedor, inclusive, já foi contatado, e todas as informações estão sendo repassadas para que o hospital providencie a compra.

Investigação

O caso do desaparecimento da peça já foi encaminhado para a Polícia Federal, que vai iniciar as investigações. A empresa trabalha com a possibilidade de o objeto, juntamente com outras encomendas, ter sido furtado de um caminhão que tombou na Bahia. “Possivelmente, esse cabo da máquina de radioterapia foi alvo de saqueadores”, disse o diretor dos Correios em Sergipe.

Ascom Correios

 

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Acordão não garante vitória
Maternidade e pandemia: como conciliar os desafios e o retorno ao trabalho
Governador assina decretos para atrair novas empresas ligadas ao setor de gás
PMA convoca candidatos para procedimento de heteroidentificação