Aracaju, 28 de setembro de 2021

SERRA CONSIDERA IMPEACHMENT “REMÉDIO AMARGO” MAS NECESSÁRIO

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

da Agência Brasil
Brasília - Plenário do Senado vota o processo de impeachment de Dilma Rousseff. Na foto, o senador José Serra (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Brasília – Plenário do Senado vota o processo de impeachment de Dilma Rousseff. Na foto, o senador José Serra (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Cotado para assumir o Ministério das Relações Exteriores no eventual governo do vice-presidente Michel Temer (PMDB), o senador José Serra (PSDB-SP) disse hoje (12) que o impeachment da presidenta Dilma Rousseff se impõe como um “remédio amargo”, mas essencial. O tucano ressaltou a legalidade do impeachment e afirmou que o afastamento de Dilma é resultado da “insensatez” da própria presidenta e do PT.

“Sou a favor do impeachment sem nenhuma alegria, nenhuma comemoração. O impedimento é um processo arrastado, penoso, causa constrangimentos pessoais, produz até alianças estranhas, representa uma quase tragédia para o país. Deveríamos, de toda maneira, buscar evitá-lo, se pudéssemos e se fossem outras as circunstâncias. Agora, esse impedimento se impõe como um remédio amargo, mas essencial”, discursou Serra.

Para o tucano, além das razões citadas na denúncia que motivou a abertura de processo de crime de responsabilidade, a baixa popularidade de Dilma e os maus resultados da economia tornam o impeachment a melhor e única saída para o país. “A continuidade do governo Dilma seria um tragédia maior. Duvido que alguém nesse plenário ache que chegaríamos a 2018 sem que a situação se deteriorasse de maneira insuportável.”

Em seu discurso, Serra lembrou o “derretimento” da produção, do emprego, das condições sociais de vida da população, da moral do mundo político, a exacerbação dos conflitos dentro e fora da política e o risco de um colapso do Estado Democrático de Direito como razões para o afastamento.

“Existem indícios de crimes de responsabilidade. e eles não deixam outra saída senão o afastamento. E a presidenta não está sendo derrubada por seus adversários, por cartórios organizados, por grupo de conspiração. Ela está sendo destituída pela marcha da insensatez que ela própria e o seu partido deflagram a partir do seu primeiro mandato.”

O tucano ainda acusou Dilma e o PT de praticar “estelionato eleitoral” e de não cumprir o programa apresentado durante a eleição presidencial de 2014.

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Polícia já tem suspeito do roubo das joias de Ana Alves, que inclui anel do seu pai, e já vai ouví-lo
Seduc convoca 57 educadores profissionais aprovados em seleção para cursos técnicos
Sergipe recebe mais de 67 mil vacinas para aplicação em primeira e segunda doses
Luciano Bispo diz que PDES revela potencialidades para investimentos