Aracaju, 17 de setembro de 2021

Concerto de Dia das Mães emociona público no Teatro João Costa (Foto: ascom)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

“Emoção”. Essa palavra define o que aconteceu no final da tarde de ontem, envolvendo o público que compareceu ao Teatro João Costa, no Centro Cultural de Aracaju, durante a realização do “Concerto de Dia das Mães”. Crianças e adultos tomaram conta do palco, com apresentações das turmas de musicalização e balé e, ainda, da Orquestra de Câmara, que foi aplaudida de pé. A iniciativa foi da Fundação Cultural Cidade de Aracaju (Funcaju). Ao término do espetáculo, mães, filhos e o público em geral integraram-se em uma confraternização, com lanche coletivo.

Crianças em polvorosa com ajustes nos figurinos e maquiagem; professores relembrando os toques da coreografia e alunos e profissionais da Orquestra de Câmara, afinando os instrumentos. Independentemente de serem crianças ou adultos, nos momentos que antecederam ao espetáculo todos demonstraram nervosismo, o que é natural antes de qualquer apresentação. Para a maioria, seria a primeira vez que estava pisando no palco, mas com a perspectiva que tudo daria certo. Afinal, todos se sentiam “artistas” e, sobretudo, alunos da Escola de Arte Valdice Teles.

A responsabilidade da petizada aumentou ainda mais, pois estariam fazendo uma apresentação para as suas mães e demais convidados. A primeira emoção do público aconteceu quando entrou em cena a turma da musicalização infantil, coordenada pelos professores Maria das Graças Miranda (Gal) e Ítalo Wagner Barros. Foi o momento do canto coral e flauta doce. Acompanhados ao som do violão, os garotos demonstraram que estão afinados. Eles cantaram e tocaram quatro músicas. Sem ninguém esperar, as meninas do balé surgiram entregando uma lembrancinha para as mães que estavam no auditório.

A turma do Ballet infantil, comandada pelos professores Adriano Xavier e Ju Menezes, também não deixaram por “menos”. Em cena, a coreografia “Hora de Dormir”, numa demonstração do que representa um dos maiores trabalhos que a mamãe tem junto ao filho.  As meninas, com idades que variam de seis a 11 anos, encantaram o público. Algumas mães, ao assistirem a dança, não esconderam a emoção, derramando algumas lágrimas.

O clima de emoção teve continuidade com o solo apresentado pela bailarina convidada Denni Ellin Bezerra, que dançou ao som da música Romaria, uma homenagem à mãe de todos, Nossa Senhora. A bailarina, 19 anos, ganhadora de vários prêmios, também foi aluna do professor Adriano, na Escola de Arte Valdice Teles. “Iniciei aos nove anos no baby class. Adriano sempre foi muito didático, inclusive inventando estórias para nos ensinar os movimentos”, declarou.

Orquestra de Câmara

O inesperado. Ao entrar em cena, a Orquestra de Câmara da Funcaju, formada por professores e alunos da Escola Valdice Teles, deixou a todos apreensivos. O que será que nos espera? Músicas eruditas? Sim, músicas clássicas e populares.

Uma orquestra de câmara é diferente de uma sinfônica. Enquanto a sinfônica se baseia no período romântico, a de câmara tem um número reduzido de instrumentos e costuma abranger uma diversidade de músicas. Mas, a da Valdice tem um diferencial: a introdução da sanfona, o sax e o contrabaixo elétrico.

A abertura do concerto foi com a música “Theme From Beethoven’s. Na sequência, o público voltou a atenção para os acordes dos instrumentos que deixaram ressoar “Nessum Dorma – Ópera Turandot de Giácomo Puccini”. Eis que surge o solista, barítono Sérgio Chagas, diretor da Escola Valdeice Teles. Ao término, foi aplaudido de pé. Outra surpresa foi apresentada com a música Ave-Maria Sertaneja, cantada e interpretada pelo solista Roger Madureira (tenor), que teve o acompanhamento da sanfona. Um espetáculo, foram essas as definições da apresentação, com o pedido de bis.

A orquestra, que tem à frente o professor e maestro Álvaro Araújo, encerrou o concerto com a música cheiro da terra, envolvendo todo o público, que cantou e acompanhou por meio de palmas.

Depoimentos

Maria Eduarda Resende, 7 anos, aluna da turma de balé infantil, explicou que estava muito nervosa diante do medo de errar. Para definir o momento, a garota Maria Eduarda Reis, 8 anos disse: “O meu coração está assim, oh!…”, mas ao término, o sorriso e as lágrimas tomaram conta da menina. “Deu tudo certo”, comentou.

“Dormi pensando na apresentação. Fiquei muito ansiosa, mas depois que pisei no palco, esqueci tudo e foi como eu esperava. Foram lindo os aplausos”, especificou Isabele Sofia Correia, 9 anos.

Para o spalla da Orquestra de Câmara e professor de violino da Escola Valdice Teles, Bruno Leoneu, é uma satisfação participar da orquestra. “Participamos do processo de construção junto com o maestro, no que concerne aos arranjos”, esclareceu, acrescentando que também compartilham ideias diferenciadas e que, somadas, dão bons resultados.

Quanto ao seu outro papel na Escola como professor, Bruno lembrou que trabalha com adolescentes e adultos que denotam interesse no aprendizado. “Esse processo nos deixa orgulhoso porque vivenciamos o crescimento de cada um”.

O professor e maestro Álvaro Araújo, agradeceu à presidente da Funcaju, professora Aglaé D’avila Fontes, lembrando que ela apostou nos profissionais da Escola Valdice Teles e que o resultado estava sendo visto por meio de todo o espetáculo. “A professora nos dá apoio e, sobretudo, valoriza o nosso trabalho e, para nós, como profissionais, nos dá ânimo para continuarmos desenvolvendo o nosso propósito”, confirmou.

Com o auditório lotado, a professora Aglaé Fontes, não poupou suas emoções. “Ao assumir a presidência da Funcaju, um jornal noticiou que eu iria acabar com a Escola Valdice Teles. Como poderia fazer algo dessa natureza? A resposta está aqui, com essas belíssimas apresentações”, afirmou.

Na oportunidade, a professora lembrou que um trabalho musical requer perseverança, estudo e dedicação. “Todos que integram a Escola Valdice Teles estão de parabéns, bem como as mães presentes. “Mãe é um ser sublime. Mãe ralha com o filho; mãe dá carinho. Tudo o que faz é sempre pensando no melhor para o seu filho. Continuem trazendo os seus filhos para nossa Escola. Estamos de braços abertos para recebê-los”, enfatizou.

Da assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Sergipe registra 1 morte nesta sexta, depois de 6 dias sem óbitos
Doações de órgão: chances dos sergipanos precisarem de transplante são bem maiores
Hospital Cirurgia realiza ação para comemorar Dia Mundial da Segurança do Paciente
Preço médio do óleo diesel segue em alta no início do mês de setembro e litro se aproxima de R$ 5,00, aponta Ticket Log