Aracaju, 28 de setembro de 2021

Projeto desenvolve game para pacientes com dificuldades motoras (Foto: assessoria)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Pacientes que fazem fisioterapia e terapia ocupacional ficam desmotivados depois de certo tempo devido ao caráter repetitivo da terapia. Buscando uma alternativa, o empresário Renan Franca, junto com sua equipe de pesquisa e desenvolvimento, criou um projeto com o objetivo de elaborar um software de game para auxiliar no tratamento de pessoas portadoras de dificuldades motoras, através de um sensor de movimentos.

O empresário Renan Franca explica que a proposta é trazer aos pacientes que buscam a reabilitação, independência diária e um ambiente virtual e interativo nas sessões de fisioterapia. E assim, fazendo com que essas sessões fiquem mais interessantes e divertidas. Eles desenvolveram um jogo utilizando o Kinect para auxiliar no tratamento de dificuldades motoras.

“O game será um auxilio para os fisioterapeutas e os profissionais de terapia ocupacional. A outra proposta é que os pacientes possam jogar nas suas casas e ter o tratamento continuado. Além disso, ele acaba valorizando o profissional de fisioterapia e terapia ocupacional porque ele vai poder interagir com o paciente mostrando a interação via gráficos e relatórios”, afirma Renan.

O projeto conta com uma equipe de pesquisa e desenvolvimento formada por pesquisadores e profissionais da área de Fisioterapia, que fizeram um estudo do aspecto biomecânico, das limitações do paciente e através da utilização do Kinect, que ele é classificado como um dispositivo Net User Interface, ou seja, não precisa ter nada acoplado ao corpo e o paciente não precisa segurar nenhum objeto.

“Nesse sistema será gerando gráficos e informações. Então, o propósito do game é permitir que o fisioterapeuta trabalhe a maior quantidade de movimentos com o paciente e esse movimentos podem ser executados com o tratamento de mais de uma doença especifica. O importante é fortalecer a musculatura, aumentar a amplitude e melhorar o equilíbrio”, enfatizou.

Ainda segundo Renan Franca, um paciente que sofre de Mal de Parkinson não consegue fazer o movimento de marcha lateral, dar um passo para o lado. No jogo “A Fazenda”, o paciente tem como objetivo defender pênaltis, então ele vai precisar se movimentar para aonde a bola vai se posicionar. Além desse, foram criados outros jogos como Vale das Maçãs e Porquinho Azeitona, que é direcionado para pacientes em cadeiras de roda.

Apoio

O projeto vem sendo desenvolvido com o financiamento da Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe (Fapitec/SE), através do Programa de Inovação em Empresas Sergipanas (Tecnova). A meta é que o game possa chegar ao mercado sergipano para comercialização até o final do ano.

Assessoria de Comunicação Sergipe – Fapitec/SE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Samuel decidirá adiar casamento com Zayla em ‘Nos Tempos do Imperador’
Juliette recebe Pabllo Vittar no ‘TVZ’: ‘Fico hipnotizada quando olho pra ela!’
Larissa Manoela sai do mar de maiô cavado e ganha curtida de affair
Aos prantos, Luisa Mell relembra violência médica: “Não quero viver assim”