Aracaju, 19 de setembro de 2021

Bairro Santos Dumont recebe Projeto Pescando Memórias (Foto assessoria)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O “Projeto Pescando Memórias”, que conta com o apoio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), realizou mais uma edição de atividades nesta sexta-feira, 13. Desta vez o local escolhido foi a Praça Ulisses Guimarães, localizada no Bairro Santos Dumont, em Aracaju, com a participação de alunos do ensino médio de três escolas públicas.

A ação tem como intuito conscientizar a população sobre a preservação e o aproveitamento do patrimônio histórico e cultural de Sergipe, promovendo a cidadania e o desenvolvimento humano de jovens através do esporte, educação e cultura. Idealizado pelo jovem do povoado de São Braz, Givanildo Santana, o projeto pretende envolver cerca de 3mil alunos da rede pública no total.

A Secult participou do Projeto, através do seu Departamento de Patrimônio Histórico e Cultura (Dphac), com debates ministrados pela estudante de história, Heloísa Santana, e pela estudante de arquitetura, Camila Melo. “Nosso intuito foi trazer a questão do Patrimônio não apenas pelos bens registrados, mas mostrando que os espaços públicos e a cultura imaterial, também são patrimônios da comunidade”, explicou Heloísa. “O Pescando Memórias é um projeto muito produtivo e educativo. Esperamos que ações como esta se multipliquem, pois fazemos questão de participar como apoiadores”, acrescentou Camila.

Segundo o representante da Secretaria de Estado da Educação (Seed), Fernando Nascimento,  a ação é de grande valia. “Este projeto beneficia não só escola, mas toda a comunidade. Observar os debates desta manhã nos gratificou enormemente, pois sabemos que a educação não se faz apenas dentro dos muros das escolas, mas também através da troca de experiências e cidadania”, ressaltou.

Para o professor de história, Paulo Roberto Rego, do Colégio Estadual Professor Arício Fortes, o principal benefício do projeto está em fortalecer a identidade dos alunos que vivem em comunidades periféricas. “Acho muito importante que os alunos participem deste tipo de projeto, porque eleva a autoestima deles. Além disso, serve de inspiração para que outras comunidades desenvolverem projetos semelhantes ao da comunidade de São Braz, fortalecendo a sua identidade e o orgulho da sua origem”, defendeu.

Representando a Central Única de Favelas, Verônica Paiva, também falou sobre a importância do projeto para a entidade. “A nossa proposta é dar visibilidade e voz para aquelas pessoas que geralmente são esquecidas. Queremos fortalecer estas pessoas, com atividades de integração, inclusão social,  mostrando para as comunidades o que elas têm direito”, afirmou.

No final do debate, os alunos participaram de uma oficina de grafite e assistiram a uma roda de capoeira.  A próxima ação do Projeto Pescando Memórias está prevista para o final deste mês, na Barra dos Coqueiros.  Escolas interessadas em participar da atividade podem entrar em contato com a produção do evento pelo telefone (79) 98884- 6539.

Ascom / Sec. de Estado da Cultura

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Mulher é presa em flagrante pelo Denarc com centenas de munições, fuzil e drogas
Prefeitura realiza quarta edição especial do Programa Praia Limpa
Semana Acessibilidade terá roda de conversa e entrega Troféu
Bricelets: herança das freiras que viveram em clausura no convento