Aracaju, 21 de setembro de 2021

Governo finaliza construção da escola no conjunto Jardim (Foto Maria Odilia)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Localizada no conjunto Jardim, em Nossa Senhora de Socorro, a nova escola segue um projeto padrão de qualidade estabelecido pelo Ministério da Educação e desenvolvido pelo FNDE. Sua construção objetiva aumentar a oferta de vagas no ensino fundamental e médio para os moradores do conjunto habitacional e redondezas, diminuindo o déficit educacional

No Conjunto Jardim, em Nossa Senhora do Socorro, o Governo do Estado, finaliza a construção da escola estadual João de Seixas Dória. Com investimentos na ordem de R$ 7.586.892,40, a Escola já está nos últimos retoques e deverá ser entregue pela empresa responsável pela obra ainda esta semana. A obra é executada pela Secretaria de Estado da Infraestrutura e Desenvolvimento Urbano (Seinfra) e da Companhia Estadual de Habitação e Obras Públicas (Cehop).

O secretário de Estado de Infraestrutura, Valmor Barbosa, explicou que a nova unidade foi construída no local do antigo Caic. “A empresa já está realizando os retoques finais de pintura, limpeza de obra, e até o final desta semana devemos fiscalizar, para muito em breve ser entregue a população. Essa obra além de ser importante para educação, ela é construída em um lugar que estava abandonado e agora recebe uma grande escola, com a estrutura necessária para o desenvolvimento das crianças e jovens do bairro e adjacências. É oferecer um novo espaço para melhoria de qualidade de vida dos moradores da região, além de aumentar a oferta de vagas no ensino fundamental e médio para os moradores do conjunto habitacional e redondezas, diminuindo o déficit educacional”, afirmou.

Com um total de 5.319,88 m² de área construída, a unidade escolar possui guarita, dez salas de aula, bloco administrativo composto por sala dos professores, diretoria, secretaria, almoxarifado e sala de reuniões, bloco pedagógico composto por laboratórios (química, física, matemática, informática e biologia), biblioteca, sala de vídeo, sala de múltiplo uso e grêmio estudantil, e ainda o bloco de serviços composto por cozinha, refeitório e despensa, além de baterias de sanitários masculinos e femininos. A escola conta ainda com uma quadra poliesportiva coberta, vestiários masculinos e femininos, bicicletário, reservatórios e estacionamento além de muro de contenção e calha de drenagem.

A nova escola segue um projeto padrão de qualidade estabelecido pelo Ministério da Educação e desenvolvido pelo FNDE. Sua construção objetiva aumentar a oferta de vagas no ensino fundamental e médio para os moradores do conjunto habitacional e redondezas, diminuindo o déficit educacional.

“São 10 salas de aula, seis laboratórios, cozinha, ginásio de esportes, biblioteca, vai ser uma escola de ensino médio regular. Desses recursos, 20% foram recursos do Proinveste e 80% foram do Tesouro Estadual”, informou o secretário deEstado de Educação, Jorge Carvalho.

Acessibilidade

A escola atende aos padrões de acessibilidade, com piso tátil, mapa tátil com representações gráficas em Braille e texto ampliado em relevo, que servem para sinalização e orientação indicando como chegar a cada lugar da escola. Todas as placas nas salas e banheiros possuem também informações em alto relevo em braile.

“Esse é um assunto primordial para o Governo de Sergipe, a obra com acessibilidade é um avanço que procuramos oferecer em todas nossas obras, principalmente, nas escolas, onde o acesso à educação não pode ser limitado. O Governo não tem medido esforços para ofertar a inclusão de todos na educação”, ressaltou o secretário de Infraestrutura, Valmor Barbosa.

Fonte: ASN

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Sergipe sem óbito por Covid nesta segunda e 32 novos casos
Aumento expressivos de assaltos, uso e tráfico de drogas na praia da Cinelândia em Aracaju
Juma de ‘Pantanal’: Alanis Guillen revela reação à notícia, detalha preparação
Juliette revela temor no ‘BBB21’: ‘O impulso inicial é devorar, julgar, e isso me dava medo’