Aracaju, 21 de janeiro de 2022

Dia de lazer marca ação de solidariedade ao Dia da Criança Soropositiva (Foto: SES)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Segundo o médico e coordenador do Programa Estadual, Almir Santana, esse evento já acontece há mais de 15 anos e tem dupla função: proporcionar um dia divertido para as crianças e mães soropositivas, além de envolver mais a sociedade no combate ao preconceito

Sergipe é um dos poucos estados que realiza ações de solidariedade voltadas ao Dia da Criança Soropositiva. Nesta sexta-feira, 13, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio do Programa Estadual de DST/Aids, realizou um dia de lazer para essas crianças e às mães portadoras do vírus HIV, no Parque Augusto Franco (Sementeira). A ação também acolheu crianças expostas, que são aquelas filhas de mães soropositivas, mas que, devido às medidas preventivas durante a gravidez e parto, nasceram soronegativas.

Segundo o médico e coordenador do Programa Estadual, Almir Santana, esse evento já acontece há mais de 15 anos e tem dupla função: proporcionar um dia divertido para as crianças e mães soropositivas, além de envolver mais a sociedade no combate ao preconceito.

“É um dia de inclusão em que a sociedade fica mais atenta que essas crianças com HIV existem. Persistimos nesse evento de solidariedade com esse objetivo: as crianças merecem toda atenção dos profissionais de saúde e da comunidade. Precisamos envolver mais a sociedade com essa questão”, explica Almir.

A secretária de Estado da Saúde, Conceição Mendonça, prestigiou a ação e destacou a importância do evento. “A SES tem um papel importantíssimo na responsabilidade social. Saúde também é prevenção e amor. É muito importante preparar as adolescentes para saber da patologia que têm. A saúde pública não é só hospitalocêntrica. Almir Santana é um exemplo vivo, que promoção e prevenção fazem parte da assistência”, elogia a secretária.

O dia contou com a participação de estudantes voluntários que desenvolveram atividades recreativas para as 40 mães e 35 crianças que participaram do evento.

“Todo ano fazemos algo diferente. Fazemos atividades de alongamento, dança, pintura e brincadeiras com as crianças. Esse ano, trouxemos uma dentista para palestrar sobre higiene pessoal e uma nutricionista para conversar com as mães. Conseguimos a parceria do Circo da Esperança que coreografaram e dançaram com as mães”, conta Yasmin Toledo, estudante e voluntária há 4 anos do projeto.

Os voluntários também montaram kits com brinquedos direcionados para cada idade das crianças e kits de higiene pessoal para as mães. Foram distribuídas 45 cestas básicas, embalagens de fraldas descartáveis, leite em pó, lençóis e agasalhos para as mães e para os filhos.

Fátima de Souza, representante do Movimento Nacional das Cidadãs Positivas, estava presente e explicou que o dia é de inclusão social e de renovação da autoestima das mães. “É um dia de informação e de cuidado. Cuidar de si para cuidar do outro é fundamental e o lazer faz parte do tratamento”, explica Fátima, que participa há 6 anos do evento.

Vanessa, 22 anos, é uma das mães participantes, adquiriu HIV através da transmissão vertical, isto é, de mãe para filho. Ela, mãe de dois filhos, adotou as medidas preventivas durante a gravidez e o parto, e seus filhos nasceram soronegativos. “Tenho uma vida normal, tranquila, não tenho do que reclamar. Tive meus filhos saudáveis. É isso que importa. Eu sou feliz”, conta.

Fonte: SES

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Abordagem policial termina com um homem morto no município de Porto da Folha
Encontro de Cosplay: atração do fim de semana reúne os amantes da cultura geek
Três jogadores do Confiança testam positivo para a covid-19
Fósseis de animais históricos encontrados em Gararu