Aracaju, 1 de agosto de 2021

Projeto do HU acolhe mães de bebês com microcefalia (Foto: assessoria)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS) iniciou neste mês o projeto Acolhendo com Amor, organizado por uma equipe que envolve fisioterapeutas, fonoaudiólogos e terapeutas ocupacionais. De acordo com uma das coordenadoras do projeto, a fisioterapeuta Tainã Klinger, a finalidade é acolher, apoiar e orientar as famílias de crianças com microcefalia, fornecendo um suporte no cuidado com o bebê e no autocuidado.

“Sabemos que as crianças com microcefalia apresentam sinais evidentes de comprometimento motor. A fisioterapia trabalha a estimulação precoce, reforçando sempre que os estímulos são muito importantes para o desenvolvimento da criança, essa conscientização é um dos pontos que trabalhamos com as famílias dos bebês”, resume.

Estímulo

A fonoaudióloga Liz Duque é outra profissional que está envolvida no projeto. Ela conta que o trabalho com crianças que têm a microcefalia associada ao Zika Vírus é muito recente. “Cada criança tem uma característica peculiar, nosso trabalho é observar e orientar as famílias a fazerem estimulações em casa, ajudando em aspectos como a mastigação e a deglutição, para assim desenvolver a fala dessa criança e fazer com que ela interaja e desenvolva a sua linguagem”, explica.

Uma das mamães atendidas pelo Acolhendo com Amor é a hoje dona de casa Amanda Oliveira. Ela, que antes exercia a função de professora da Educação Infantil, deixou de trabalhar para se dedicar integralmente ao filho, diagnosticado com microcefalia. “Desde quando o meu bebê tinha 27 dias que estou sendo atendida pela equipe do Hospital Universitário. A gente passa por fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo, pediatra e muitos outros profissionais. Meu filho já está com cinco meses e o atendimento no HU tem sido muito bom”, declara.

Os resultados dos atendimentos por esses profissionais são relatados pela terapeuta ocupacional Patrícia Lins. “A gente já consegue perceber melhoras nos bebês. A função manual, trabalhando a abertura das mãozinhas, para que ele pegue no brinquedo, na mamadeira, passe a mão no rosto, enfim, desenvolva movimentos comuns para os bebês que não apresentam a doença. Fazemos muito também a estimulação visual e orientamos as famílias sobre como fazer essa estimulação em casa, mostrando à criança objetos coloridos, luminosos. O estímulo que o bebê tem que receber em casa é fundamental”, comenta.

Encontros

Os encontros do projeto Acolhendo com Amor acontecerão mensalmente, e serão oferecidas oficinas, palestras e rodas de conversa, com trocas de experiência e espaço para tirar dúvidas. O primeiro dia do projeto abrangeu também a comemoração pelo Dia das Mães, como forma de valorizar e homenagear as mães dos bebês com microcefalia atendidos no Hospital Universitário.

Andreza Azevedo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Belivaldo assina Ordem de Serviço da  etapa 2ª do Canal Remanso
Quinto dia de greve conta com caminhada e apitaço em Maruim
Belivaldo elogia trabalho de André e diz que Edvaldo foi feliz na parceria 
Motoristas de carro fumacê são capacitados pela Funesa