Aracaju, 1 de agosto de 2021

DAGV DIVULGA CASOS DE EXPLORAÇÃO SEXUAL INFANTOJUVENIL

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, celebrado no dia 18 de maio, o Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV) apresentou em entrevista coletiva concedida na manhã desta terça-feira, 17, na sede da Secretaria de Segurança Pública de Sergipe (SSP/SE), relatório sobre atendimento e investigações de casos de exploração sexual infantojuvenil ocorridos no Estado.

Na ocasião, a coordenadora do DAGV, Mariana Diniz, e a delegada Lara Schuster, que atua na Delegacia Especial de Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA), detalharam os dados e esclareceram como é realizado o atendimento e investigação referente a casos de exploração sexual envolvendo esse público.

Segundo as estatísticas, somente nos primeiros quatro meses deste ano, foram registrados 382 boletins de ocorrências que geraram a abertura de 70 inquéritos policiais pela unidade especializada. Já em todo o ano de 2015, foram 255 denúncias anônimas, 960 boletins de ocorrências e 202 inquéritos policiais abertos.

Mariana DinizDe acordo com Mariana Diniz, apesar dos números serem altos, eles ainda não refletem a realidade devido à existência de casos que não foram notificados formalmente. “Existe uma subnotificação dos casos, principalmente porque a maioria deles ocorre dentro dos lares, e as pessoas que deveriam zelar pelo bem estar, saúde e preservação da integridade física e psicológica das vítimas, muitas das vezes, são os próprios agressores ou então são omissos no seu dever e deixam de denunciar”, salienta a coordenadora, ressaltando que nesse mesmo contexto, ainda há pessoas que também não o fazem por vergonha, por ainda existir muito preconceito e tabus acerca dessa problemática.

Perfil do agressor

Sobre o agressor, a delegada Mariana Diniz informa que não há um perfil definido, mas a maior incidência de casos acontece dentro do seio familiar: “em geral, o abuso é cometido pelos próprios pais ou padastros, ou até mesmo por pessoas próximas às vítimas, pessoas em que ela confia e que normalmente estão acima de qualquer suspeita. Por isso é importante o diálogo dos pais, amigos e escola com essas crianças, pois sempre há uma sinalização quando isso acontece”.

Número de prisões em 2016

Ainda de acordo com os números, neste primeiro quadrimestre foram 118 inquéritos concluídos e encaminhados à 6ª Vara Criminal, responsável por julgar os crimes contra a criança e adolescente. Desses 118 casos investigados pelo DEPCA e encaminhados à justiça, 70 foram com indiciamento, ou seja, com o autor da agressão definido, o que resultou em 12 prisões já realizadas nesses primeiros meses pela unidade.

Lara SchusterDe acordo com a delegada Lara Schuster, o número de agressores com mandado de prisão preventiva e que estão na condição de foragidos ainda é muito grande. Para auxiliar os trabalhos policiais nas buscas contra os agressores, ela frisa a importância da população fazer a denúncia. “As pessoas podem contribuir com informações ligando para o Disque 100 (nacional), ou para o Disque-Denúncia 181 (estadual). Além disso, elas podem também se dirigir às delegacias especializadas ou comuns para fazer a queixa”, ressalta.

Importante denunciar

Vale frisar que a população sergipana pode e deve denunciar casos envolvendo exploração sexual infantil nos canais habilitados: delegacias especializadas ou comuns; Conselho Tutelar da cidade; escola, com os professores, orientadores ou diretores; polícias Militar, Federal ou Rodoviária Federal, e os números acima mencionados Disque 100 (nacional) e Disque-Denúncia 181 (estadual).

Na denúncia, para facilitar os trabalhos policiais e punir os agressores, é importante ter em mente informações acerca de quem sofre a violência (vítima); qual tipo violência (violência física, psicológica, maus tratos, abandono etc.); quem pratica a violência (suspeito); como chegar ou localizar a vítima/suspeito; o endereço (com pelo menos um ponto de referência que defina um lugar específico); há quanto tempo (frequência); o horário; local; como a violência é praticada; qual a situação atual da vítima; e se lgum órgão foi acionado.

DAGV

Criada em setembro de 2004 com o intuito de atender a um público específico vítima de violência (idosos, homossexuais, mulheres, crianças e adolescentes), a unidade, hoje instalada em um moderno edifício situado na Rua Itabaiana, Centro de Aracaju, conta atualmente com delegacias especializadas que trabalham no atendimento às vítimas relativos a crimes contra o público vulnerável. São elas: Delegacia Especial de Proteção à Criança e ao Adolescente, Delegacia Especial de Atendimento à Mulher e Delegacia Especial de Atendimento a Grupos Vulneráveis. Além desse núcleo, o DAGV possui ramificações no interior do Estado, por meio de Delegacias de Atendimento a Grupos Vulneráveis nos municípios de Estância, Itabaiana, Lagarto e Nossa Senhora do Socorro.

Fonte e foto: Ascom SSP

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Policiais do Tático prendem suspeito de tráfico no Santa Maria
Boletim do coronavírus em Aracaju: 198 casos e nenhum óbito
Nenhuma aposta acertou as seis dezenas do concurso 2.395 da Mega
Prefeitos e lideranças aprovam “união” de André Moura e Fábio Mitidieri