Aracaju, 4 de agosto de 2021

SUPLENTE DE DELCÍDIO E MAIS DOIS TOMAM POSSE NO SENADO

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
da Agência Brasil

Três suplentes tomaram posse nesta terça-feira (17) como senadores, dois deles para substituir parlamentares que viraram ministros na última semana e um no lugar do ex-senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS), que teve o mandato cassado também na semana passada.

Pedro Chaves (PSC-MS) foi o primeiro. Empresário do ramo da educação, Chaves fez um breve discurso, no qual falou sobre a importância da política para a resolução dos problemas do país. “Num momento de grande turbulência nacional, reitero o compromisso de me pautar na mais absoluta conduta ética e republicana”, disse no discurso de posse. Chaves vai ocupar o posto de Delcídio até fevereiro de 2019.

Em seguida, foi a vez de Wirlande da Luz (PMDB-RR), que ocupou o posto vago de Romero Jucá, que tomou posse como ministro do Planejamento. Pediatra, Luz assumiu a vaga de senador em outro mandato de Jucá, quando o atual ministro também se afastou do cargo por cerca de seis meses.

Por fim, foi a vez de José Aníbal (PSDB-SP) assumir a vaga de José Serra, que virou ministro de Relações Exteriores. Aníbal foi deputado e líder do PSDB na Câmara e atualmente comanda o Instituto Teotônio Vilella, do PSDB. Sua chegada foi festejada pelo presidente do partido, senador Aécio Neves (PSDB-MG).

“[Aníbal] tem uma carreira sem sombras. Respeitado e admirado pelos seus companheiros, mas também extremamente respeitado por aqueles de quem diverge dada a qualidade da sua argumentação, a firmeza e a coragem com que defende as suas convicções, o agora senador José Aníbal é um dos mais qualificados quadros do PSDB em todo o país”, disse Aécio ao receber o colega logo após a posse.

A vaga de outro senador que virou ministro, Blairo Maggi, que assumiu a Agricultura, foi ocupada ontem (16) pelo suplente Cidinho Santos (PR-MT). Hoje, mais cedo, ele chegou a presidir a sessão por alguns minutos enquanto o vice-presidente da Casa, senador Jorge Vianna (PT-AC), fazia seu discurso.

Logo depois, Santos fez seu primeiro pronunciamento e disse lamentar o afastamento da presidenta Dilma Rousseff, mas considerou que “como estava não havia como suportar”. “Das vezes em que estive com a presidente Dilma, tenho a impressão de ser uma pessoa honrada, uma pessoa competente, uma pessoa trabalhadora, mas a execução desse segundo mandato foi totalmente diferente daquilo que havia sido prometido na campanha eleitoral. Só posso atribuir isso – até em forma de brincadeira, me desculpem os telespectadores da TV Senado – à dieta que ela fez, de um médico argentino, o doutor Ravenna, porque o programa de governo que foi colocado foi totalmente feito ao contrário”, disse o senador.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Sistema Fecomércio presta consultoria às empresas sobre LGPD
SES diz que Sergipe vai receber mais de 41 mil doses de vacina contra a Covid-19
Sessão da Câmara de Rosário do Catete é marcada por discussão de pautas relevantes para a cidade
Barra capacita professores em técnicas de ensino remoto