Aracaju, 7 de dezembro de 2021

Ana Lúcia cobra políticas de enfrentamento à violência sexual (Foto Jorge Henrique)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Por: Débora Melo

No Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, 18 de maio, a deputada estadual Ana Lúcia ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa de Sergipe para registrar a passagem da data e cobrar maior articulação da rede de proteção às vítimas de violência sexual.

Ela destacou que o Ministério Público realizou, na manhã desta quarta-feira, 18, um Seminário com a participação de órgãos públicos e representantes da sociedade civil organizada para debater o Plano Estadual de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, elaborado de forma coletiva pelo Comitê de Enfrentamento ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. A parlamentar destacou a importância do documento, porém, lamentou a dificuldade de implementação das suas metas e ações.

“Não adianta discutir o Plano se não se tem prioridade para a área. Uma das prioridades é articular o Sistema único de Asisteência Social com o Sistema Único de Saúde e com as políticas de Sergurança Pública. O Plano prevê a prevenção da violência sexual, mas prevê também a promoção de ações para que possamos superar esta questão”, destacou Ana Lúcia, que é coordenadora da Frente Parlamentar de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente da ALESE.

De acordo com dados da Secretaria de Estado da Mulher, da Inclusão e Assistência Social, do Trabalho e dos Direitos Humanos, entre janeiro e fevereiro, foram notificados 370 casos de violência sexual contra meninos e meninas. Destes, 334 foram de Abuso sexual e 36 de Exploração sexual. Os dados da SEIDH, no entanto, não revelam a totalidade dos casos, pois a violência sexual é um grande tabu em nossa sociedade, o que faz com que seja um crime quase invisível. Prova disso é que mais de 70% dos casos de violência sexuais contra meninos e meninas acontecem dentro dos lares, e na maior parte das vezes são cometidos por pessoas em quem a criança tem plena confiança, sobretudo familiares.

Educação para enfrentar

Ana Lúcia avalia que o abuso sexual é fruto, entre outros fatores, de uma cultura de dominação, especialmente do homem sobre a mulher e do adulto sobre a criança. “Estamos reproduzindo esta cultura de dominação, de propriedade, que alimenta a cultura do abuso. Isso só pode ser superado com campanhas e ações sistemáticas e contínuas de educação para a população”, explicou.

Assim, a deputada aponta que as políticas de enfrentamento a esse tipo de crime precisam ir além da proteção e do acolhimento à vítima. Neste sentido, ela cobrou a intensificação de ações educativas, a exemplo de campanhas publicitárias sobre o tema. “A escola também é um espaço potencializador de usar estes instrumentos de esclarecimento”, sugeriu. “Temos que ter políticas públicas que realmente gerem coragem nas mães, irmãos, irmãs das vítimas para que o número de denúncias aumente”, cobrou, esclarecendo que as denúncias podem ser feitas pelo disque 100, nacional, ou pelo número 181, que é específico para Sergipe.

Atraso do co-financiamento

Uma questão grave e que tem afetada a implementação de políticas voltadas para a prevenção da violência sexual e para a proteção de suas vítimas é o atraso do os recursos do co-financiamento da política de assistência social do Estado para os municípios sergipanos. O recurso deveria ser repassado aos Fundos Municipais de Assistência Social de cada município não está sendo transferido desde meados do ano passado. O recurso deveria custear, nos municípios, programas e serviços como CRAS, CREAS, abrigos e casas-lar.

Ana Lúcia tem aberto o diálogo e a articulação entre o Conselho Regional de Serviço Social (CRESS/SE) e a Secretaria de Estado da Mulher, Inclusão, Assistência Social, do Trabalho e Direitos Humanos a fim buscar soluções para o impasse. A deputada mediou, no final do mês de abril, uma audiência com a Secretária Marta Leão e o CRESS para discutir a questão, ocasião em que ficou acordado que a SEIDH, juntamente com a Procuradoria Geral do Estado (PGE) e a equipe técnica da secretaria, iria analisar a forma de gerenciamento dos recursos do fundo para tentar sanar o atraso do co-financiamento. Até o momento, a secretária Marta Leão ainda não convocou nova reunião para apresentar o resultado dos estudos.

“Espero que a secretária de inclusão social tenha conseguido o parecer favorável da procuradoria para que o Fundo de Assistência Social volte a repassar mensalmente aos municípios os recursos da política de assistência social para, assim, fortalecer as políticas e ações de proteção e promoção e de inclusão social em nosso Estado”, apontou a deputada.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Conselho da Igualdade Racial abre seleção para sociedade
Alese aprova doação de imóvel que impulsionará turismo no município de Porto da Folha
Deputados aprovam na Alese a continuidade do Programa Educação Mais Conectada, da Seduc
Janier Mota, em carta aberta, anuncia que não disputará reeleição em 2022 e relata os motivos