Aracaju, 17 de setembro de 2021

CÂMARA APROVA MP COM MEDIDAS DE COMBATE DENGUE,ZIKA,CHIKUNGUNYA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

da Agência Brasil

Tentando retomar a normalidade dos trabalhos, a Câmara dos Deputados aprovou ontem (18) a Medida Provisória 712/15, que trata de medidas de combate ao Zika vírus, à dengue e à febre chikungunya. O plenário da Câmara não votava nada desde o afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Casa, no dia 5 de maio.

A proposta, que segue agora para o Senado, autoriza a entrada de autoridades em imóveis públicos e privados considerados foco de mosquitos transmissores das doenças. A medida será aplicada nos casos de imóveis em situação de abandono, na ausência de pessoa que possa permitir o acesso após duas visitas comunicadas dentro do intervalo de dez dias e nos casos de recusa, negativa ou impedimento de acesso do agente público ao imóvel.

O texto estabelece o sábado como dia de realização de atividades de limpeza dos imóveis, a necessidade de campanhas educativas, em especial às gestantes, de orientação à população e também cria o Programa Nacional de Apoio ao Combate às Doenças Transmitidas pelo Aedes aegypti (Pronaedes), de modo a financiar projetos com recursos de doações dedutíveis do Imposto de Renda.

A aprovação da medida contou com apoio das bancadas do PT, PDT e PCdoB, que retiraram a obstrução ao governo interino de  Michel Temer. “Trabalhamos preventivamente, dando as garantias necessárias ao tratamento da microcefalia. Por isso, não podemos ser instrumento de obstrução”, disse a deputada Moema Gramacho (PT-BA).

Waldir Maranhão

A medida aprovada é uma das quatros MPs que trancam a pauta da Câmara. Assim como ocorreu ontem (17), o presidente em exercício da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), não comandou os trabalhos, que ficaram a cargo do deputado Giacobo (PR-PR), segundo vice-presidente da Câmara.

Mais cedo, durante a reunião de lideranças, líderes de vários partidos fizeram pressão para que Maranhão abrisse mão de comandar as sessões de votação, com o argumento de que ele não tem condições morais de comandar a Casa.

“Temos de trazer de volta a normalidade da Câmara e ela não será conseguida com Waldir Maranhão, “Entendemos que a Casa, por mais que vote algumas matérias, não está na normalidade”, afirmou o líder do DEM, Pauderney Avelino (AM).

Parlamentares de vários partidos insistem na saída de Maranhão da presidência e a realização de novas eleições. “A Casa não voltou à nornmalidade. Para isso, tem de eleger um novo presidente”, acrescentou o líder do PPS, Rubens Bueno (PR).

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Religação de energia elétrica pode ser solicitada por meio dos canais digitais
Ribeirópolis alcança marca histórica de 300 dias sem registro de homicídios
“Orientação e perfil são garantias de sucesso no mercado”, diz consultor
Socorro realizará drive-thru da Semana Nacional de Trânsito