Aracaju, 28 de setembro de 2021

Vereador pede mais acessibilidade para as pessoas com deficiência (Foto: Heribaldo Martins)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Por: Maraisa Figueiredo

O vereador Lucas Aribé (PSB) discursou na tribuna da Câmara Municipal de Aracaju (CMA), na manhã desta quarta-feira, 18, sendo o porta-voz das pessoas com deficiência, fazendo uma análise da conjuntura docotidiano que esses cidadãos vivem e as perspectivas de melhorias na qualidade de vida.

De acordo com o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as pessoas com deficiência representam 45,6 milhões de brasileiros, em torno de 24%da população. Aribé afirmou que, durante muito tempo, esses cidadãos ficavam fora do convívio social. “Essa população ainda espera ser reconhecida como cidadãos. Há algum tempo, muitos deles eram impedidos de ir à escola pública, porque não existia acessibilidade, nem professores preparados, nem livros em braile ou com letra ampliada, nem  tecnologias assistivas”, explica.

Lucas continua dizendo que a partir da Constituição de 1988, todos os cidadãos passaram a ser iguais em direitos, mas a prática não mudou muito. “Em 1996, a pessoa com deficiência  passou a ter um atendimento educacional especializado nas escolas e mesmo com esse avanço, existia despreparo em todos os sentidos, além da falta de acesso ao livro. Uma pessoa surda em sala de aula fica sem se comunicar com ninguém, a pessoa com deficiência intelectual ou  física que utiliza a cadeira de rodas não tem acesso à sala de aula por falta de acessibilidade e ainda possuem outras dificuldades no dia a dia”, pontua.

Para Aribé, a caminhada é longa, mas os avanços continuaram no campo das leis. “Ano passado foi sancionada a Lei Brasileira da Inclusão, que trouxe novas  garantias. Não se deve olhar para essas pessoas com pena, mas como cidadãos”, elucida.

Aribé comenta sobre a importância da Secretaria Nacional de Defesa dosDireitos da Pessoa com Deficiência e a possibilidade de ser extinta. “Representantes das pessoas com deficiência do Brasil lamentam a possibilidade  da extinção da secretaria. Isso representa um retrocesso, deixar de trazer a agenda política para discussão. Essa Secretaria  é de grande importância como a da Educação, da Segurança Pública e da Saúde. Acessibilidade é prioridade, é o que diz a Lei e não podemos permitir que qualquer gestor não debata esse tema e vire as costas para acessibilidade, para as pessoas com deficiência e as minorias em geral”, explana.

Segundo o vereador Lucas, existem desafios para as PCDs no município de Aracaju e é necessário uma política mais bem direcionada para essas pessoas. “Temos paratletas que ganham medalhas fora do Estado, mas não possuem um Centro

Poliesportivo. Esse é o pleito para as próximas gestões. A gente vê a realidade da pessoa surda, que não tem uma escola bilingue, oferecendo para eles a oportunidade de aprender todos os assuntos que aprendemos. Eles merecem ser lembrados pelas gestões. Falta acessibilidade nas calçadas, não temos os semáforos sonoros, nem os terminais com a acessibilidade, nem postos de atendimento para os surdos. Tudo isso está garantido na lei, mas não funciona”, questiona.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Samuel decidirá adiar casamento com Zayla em ‘Nos Tempos do Imperador’
Juliette recebe Pabllo Vittar no ‘TVZ’: ‘Fico hipnotizada quando olho pra ela!’
Larissa Manoela sai do mar de maiô cavado e ganha curtida de affair
Aos prantos, Luisa Mell relembra violência médica: “Não quero viver assim”