Aracaju, 31 de julho de 2021

Município de Aracaju renuncia impostos e é investigado pelo MPT de Sergipe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O Ministério Público do Trabalho em Sergipe (MPT-SE) instaurou inquérito civil em face da Almaviva do Brasil e da Prefeitura Municipal de Aracaju para apurar supostas irregularidades na concessão e cumprimento de incentivos fiscais à empresa.

Em 2013, a Almaviva foi beneficiada com incentivo fiscal concedido pelo Município de Aracaju por meio da Lei Complementar nº 120, que reduz de 5% para 2% a alíquota do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza – ISSQN e a isenta do pagamento do IPTU. Em contrapartida, a empresa deveria gerar emprego e renda à população.

Embora a referida Lei Complementar tenha caráter genérico, a empresa Almaviva seria a principal, senão a única, favorecida com esse benefício fiscal, já que é a maior e mais conhecida empresa na área de “call center” e emprega milhares de trabalhadores.

De acordo com a denúncia, cerca de três anos após ser instalada na cidade da cidade de Aracaju, a Almaviva é uma das recordistas de demandas na Justiça do Trabalho em Sergipe, com diversas denúncias sobre a precarização do trabalho, desrespeito às leis trabalhistas e alta rotatividade da mão de obra. Também informa que o Município de Aracaju jamais teria fiscalizado efetivamente o cumprimento das contrapartidas por qualquer empresa.

Diante da denúncia, o MPT-SE requisita que a Prefeitura Municipal apresente, no prazo máximo de 60 dias, informações e documentos que tenham levado à propositura do projeto de lei complementar, comprovantes de fiscalização das condições impostas pela lei para concessão dos benefícios e demonstrativos dos montantes das renúncias de receitas relativas a ISSQN e IPTU.

Já a Almaviva deve apresentar no mesmo prazo demonstrativos financeiros das vantagens econômicas obtidas com a lei, demonstrativo da rotatividade dos trabalhadores nos últimos cinco anos e comprovantes detalhados de cumprimento das obrigações impostas pela lei.

O Ministério Público do Trabalho solicitou ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) dados estatísticos que demonstrem o adoecimento de trabalhadores da empresa nos últimos cinco anos, com indicação dos motivos de afastamento (auxílio-doença comum ou acidentário).

Foi solicitado ainda, ao Tribunal Regional do Trabalho, dados sobre o número de reclamações trabalhistas apresentadas contra a Almaviva em igual período. Além disso, o Tribunal de Contas do Estado de Sergipe está sendo consultado sobre eventuais fiscalizações sobre essa renúncia de tributos e a contrapartida das empresas, tendo em vista a sua competência legal para acompanhar e fiscalizar o cumprimento desse tipo de lei.

Fonte: Ascom-MPT-SE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Belivaldo assina Ordem de Serviço da  etapa 2ª do Canal Remanso
Quinto dia de greve conta com caminhada e apitaço em Maruim
Belivaldo elogia trabalho de André e diz que Edvaldo foi feliz na parceria 
Motoristas de carro fumacê são capacitados pela Funesa