Aracaju, 21 de janeiro de 2022

Sergipe é reconhecido como área livre da Peste Suína Clássica (Foto Emdagro)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Conquista de Sergipe, vitória do Brasil! É com esse sentimento que a Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), conquista para o estado a certificação internacional de área livre da Peste Suína Clássica, ao ser concedido pela Organização Mundial de Sanidade Animal (OIE), nesta quinta-feira (26), em Paris, na França, o certificado que reconhece o esforço e dedicação da equipe de Defesa Animal da empresa, ao colocar o menor estado da Federação entre os 13 principais estados mais o Distrito Federal que também receberam a certificação, dentre eles Acre, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rondônia, São Paulo, Sergipe, Tocantins e do Distrito Federal, além dos municípios de Guajará, Boca do Acre, Canutama e Lábrea, estes do Estado da Amazonas.

A inclusão do Estado de Sergipe no relatório encaminhado á Organização Mundial de Sanidade Animal se deu após edição da Instrução Normativa nº 27, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que estabeleceu novas regras de trânsito de suínos, seus produtos, subprodutos e material genético, onde o Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura encaminhou à Organização Internacional de Epizootioses (OIE) um relatório pleiteando, junto àquele organismo, a classificação daqueles 13 estados mais o Distrito Federal como área livre da Peste Suína Clássica (PSC) sem vacinação.

Sergipe já possuía a certificação nacional de área livre da doença reconhecido pelo MAPA, porém, vinha pleiteando o reconhecimento junto a OIE, a fim de tornar-se área livre internacionalmente da Peste Suína Clássica. “Esse reconhecimento só demonstra a eficácia do trabalho desenvolvido pela Emdagro, que é um órgão do Governo do Estado, vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pesca, na área de defesa animal que se compara aos serviços de defesa animal de Estados grandes produtores de suínos da região do Sul e Sudeste”, explicou o Presidente da Emdagro, Jefferson Feitoza de Carvalho.

A PSC

Peste Suína Clássica também conhecida como peste suína, cólera suína ou febre suína clássica é uma doença infecciosa, altamente contagiosa causada por um vírus RNA, com distribuição cosmopolita, pertencente à família Flaviviridae, ao gênero Pestivírus e que acomete suínos domésticos e silvestres. É uma enfermidade de notificação compulsória para a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), apresenta alta morbidez e mortalidade, o que repercute em significativas consequências ao bem-estar animal e prejuízos socioeconômicos, sanitários e ambientais.

Segundo a Diretora de Defesa Animal e Vegetal da Emdagro, Salete Dezen, a Peste Suína Clássica é caracterizada por uma grande variedade de sinais clínicos e lesões com predominância do tipo hemorrágico. “São sintomas como hemorragia, que pode levar à morte; febre alta; falta de coordenação motora; orelhas e articulações azuladas; vômitos, diarréia; falta de apetite; esterilidade e abortos; leitões natimortos ou com crescimento retardado”, detalhou Salete.

Ainda entre as características da doença estão também o agrupamento de animais nos cantos das pocilgas e a morte após quatro e sete dias do início dos sintomas.

A contaminação pode ocorrer a través de alimentos ou água contaminados; animais infectados; veículos e instalações contaminados; contato com cadáveres de animais infectados; equipamentos contaminados, roupas e calçados de indivíduos que mantiveram contato direto com animais doentes ou em período de incubação da doença (em geral a incubação é de 4 a 6 dias, com um intervalo de oscilação de 2 a 20 dias).

Sua prevenção se dá por meio da separação das instalações nas diferentes fases de criação; cercas adequadas que evitem a entrada de animais; limpeza e desinfecção das instalações e dos veículos que transportam animais; conhecimento da origem de animais adquiridos e quarentena dos mesmos; limpeza e desinfecção das mãos e botas das pessoas que lidam com os animais.

Por: Carlos Mariz

Ascom Emdagro

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Abordagem policial termina com um homem morto no município de Porto da Folha
Encontro de Cosplay: atração do fim de semana reúne os amantes da cultura geek
Três jogadores do Confiança testam positivo para a covid-19
Fósseis de animais históricos encontrados em Gararu