Aracaju, 24 de janeiro de 2022

Comunidade do João Alves recebe orientação alimentar (Foto Míriam Donald)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

 

Técnicos da Seidh realizaram ação de conscientização da população no Espaço Cuidar

Acompanhando os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Estado de Sergipe, que figurava no mapa da fome, agora faz parte do mapa do sobrepeso. Com o objetivo de evitar e combater um dos maiores problemas de saúde do mundo, a Secretaria de Estado da Mulher, da Inclusão e Assistência Social, do Trabalho e dos Direitos Humanos (Seidh), através do Departamento de Segurança Alimentar e Nutricional (DSAN), realizou, nesta terça-feira, 31, acompanhamento e palestra sobre hábitos alimentares saudáveis no Espaço Cuidar do conjunto João Alves, onde a população recebeu orientações.

Segundo a diretora Lucileide Rodrigues, a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica (Abeso) aponta que dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do último levantamento feito pelo IBGE  [entre 2008 e 2009], 51% da população brasileira está com excesso do peso. “A educação alimentar em família busca a melhor escolha de alimentos consumidos em todas as faixas etárias, com a adequação a hábitos saudáveis. Nosso projeto orienta as pessoas sobre as suas condições nutricionais”, pontuou.

Ainda de acordo com ela, o sobrepeso é preocupante, pois pode gerar obesidade e doenças crônicas, como diabetes e hipertensão. Durante a ação, a equipe de Segurança Alimentar também conferiu o Índice de Massa Corporal (IMC) dos participantes. “Orientamos e incentivamos a população a buscar uma alimentação mais saudável. Esse projeto está sendo realizado nos diversos Espaços Cuidar. Começamos no do João Alves porque implantamos uma horta orgânica aqui. A intenção é mostrar que dá para evitar o uso integral de alimentos processados”, disse.

Dona Maria Terezinha de Jesus, moradora do conjunto, tem hipertensão e diabetes há 16 anos. “O mais preocupante é a diabetes. Tomo insulina todos os dias e tenho uma alimentação regrada. Consumo alimentos integrais e à base de soja. Dá para viver sem ser escravo do alimento, basta ter cuidado e atenção. Eu senti que estava precisando desse acompanhamento e achei essa ação maravilhosa”, conta.

Para Rosilene Rezende, coordenadora do Espaço Cuidar do João Alves, a ação é necessária por promover o acesso à informação, que nem sempre a população tem. “Passamos a comer mais, mas precisamos nos policiar quanto aos hábitos que não são bons. Diversas doenças surgiram com esse costume alimentar que adquirimos com o tempo. A comunidade carente precisa ter conhecimento do que ingere, assim como são as melhores formas de higienização e conservação dos alimentos”, afirmou.

A coordenadora dos Espaços Cuidar, Avanize Santos, ressaltou a importância da prevenção, e da consciência de que é possível se alimentar sem elevar os custos. “Às vezes, as pessoas se deixam levar pela tentação de consumir produtos industrializados e oleosos. Com essa palestra, mostramos que dá para ingerir o alimento natural, saboroso e que faz diferença na qualidade de vida”.

Texto e foto: Míriam Donald

Edição: Rebecca Melo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Prefeitura de Santana do São Francisco autoriza pacote de seis obras na Cohab velha
Suspensão dos prazos processuais prorrogada até 28/1
Seduc inicia matrícula para os alunos que desejam mudar de escola
Portabilidade numérica – Sergipe ultrapassa 348 mil trocas de operadoras de telefonia