Aracaju, 28 de julho de 2021

PT que jogou o País numa recessão, “toca o terror” sobre PEC 241!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Parece brincadeira, mas é isso mesmo que você leu no título deste comentário: o Partido dos Trabalhadores, sobretudo nos mais de cinco anos da presidência de Dilma Rousseff (PT), conseguiu um dos principais países emergentes do Mundo, do ponto de vista financeiro, a um dos mais endividados e falidos, amargando uma triste recessão. O PT de Dilma, dos esquemas de corrupção arquitetados pelo ex-presidente Lula, hoje engrossa o tom de voz para acusar o presidente da República, Michel Temer (PMDB), de colocar em risco o futuro da Educação e da Saúde no País, insinuando que essas áreas primordiais perderão investimentos. E, evidentemente, isso assustou uma parcela considerável da população.

Seria cômico se não fosse trágico! O partido que empurrou o País para os atuais 12 milhões de desempregados, que viu a educação pública e a qualidade de ensino deixarem de ser referência, que não resolveu os problemas da Saúde nos hospitais públicos, que praticamente quebrou o comércio com o fim do poder de compra do cidadão, que não teve capacidade para gerir a inflação e que perdeu a mão sobre a taxa de juros…pois bem, este mesmo Partido dos Trabalhadores que recebeu uma estrutura já deficitária e que entregou atirando talvez, o futuro de gerações, no fundo do poço, agora vem a tona com um discurso moralista, de compromisso com o erário público. Dá para acreditar?

É, no mínimo, querer desprezar a inteligência das pessoas! É achar que todos somos facilmente manipulados, que não possuímos capacidade de interpretação. É como se em 2016 não tivesse ocorrido o impeachment de uma presidente da República, por malversação dos recursos públicos, pelas famosas “pedaladas fiscais”, quando achavam que engariam a todos para sempre, manipulando e fabricando números, sempre em defesa não do Estado Brasileiro, mas de um projeto de Poder, ou melhor, de continuidade, de permanência no Poder. Este é o PT cheio de razão, cheio de ética e moralidade que vem a público, na linha do quanto pior, melhor, tocando o terror nas redes sociais e manipulando segmentos da população contra o presidente da República.

Caros leitores, ninguém aqui está pregando a “santidade” de Michel Temer, ninguém está tirando sua culpa em vários problemas em que este País está afundado, mas é preciso ter o discernimento para entender e reconhecer que estamos vivendo sob uma de nossas priores crises de ordem financeira e que alguém precisava ter coragem para ousar, para fazer o que deve ser feito, até para preservar o futuro das próximas gerações, para que, mesmo que a longo prazo, garanta a retomada do crescimento, da estabilidade na economia. A PEC 241, aprovada em 1º turno pela Câmara Federal, não é a solução, mas é o que tinha para ser feito neste momento.

É preciso ter coragem para assumir as responsabilidades e, neste ponto, Michel Temer tem feito o que se espera dele: adotando medidas de controle nos gastos públicos pelos próximos 20 anos. E não adianta o “mimimi” de que ele não tem legitimidade, porque ele o tem e estar presidente da República atendendo a todos os requisitos constitucionais. Agora, ter ainda mais coragem, é quem não tinha compromisso com a Saúde e a Educação, quem jogou o País nas condições em que hoje ele se encontra, e publicamente saí em defesa destas Pastas contra uma PEC que visa reduzir os gastos públicos. Dá para entender? E antes que “chovam pedras” contra este colunista, é melhor explicar:

Está claro no texto da Proposta de Emenda à Constituição que no caso de áreas como Saúde e Educação sofrerem com a redução de repasses, de dinheiro, o Congresso poderá garantir mais recursos para estas Pastas, sem problemas, desde que faça cortes efetivos em outras áreas e que não deixe de respeitar o teto público. A estrutura administrativa da presidência da República é inchada e carregada de gastos, muitos deles desnecessários. Estamos vivendo uma crise sem precedentes e a PEC é necessária, acompanhada das Reformas, como a da Previdência, em especial. Que o leitor faça seu juízo de valor e não se deixe ser manipulado pelos discursos petistas, na tv, no rádio e nas redes sociais. O País precisa se reencontrar. E foi gastando demais que ele acabou “saindo dos eixos”…

Síntese

Este colunista acompanha a teoria dos maiores especialistas do País: a PEC 241 é necessária, mas pode não resolver sem a Reforma da Previdência. O País pode até seguir em recessão, mas em longo prazo já se prevê a retomada do crescimento, uma melhora considerável no “humor” do mercado.

Avaliação

Para este colunista, com o mercado se aquecendo, voltam imediatamente os empregos, as oportunidades e, consequentemente, melhora a renda do cidadão, que passa ter mais condições (financeiras) de cuidar da própria Saúde, de investir em Educação, que pode resultar numa “folga” no orçamento destas duas áreas.

Veja essa!

Nessa segunda-feira (10), o prefeito de Salvador (BA), ACM Neto (DEM), avaliado como a melhor administração municipal do País, na atualidade, veio a Aracaju declarar seu apoio incondicional ao projeto do candidato Valadares Filho (PSB) para a prefeitura da capital sergipana.

E essa!

Dentre muito do que foi dito e propagado por ACM, um aspecto chamou a atenção deste colunista: quando ele falou que o gestor público as vezes foca muito no “concreto” e que acaba esquecendo “das pessoas”. Exemplo de gestor público, o democrata deixou a mensagem que antes de transformar a cidade num canteiro de obras, o prefeito tem que priorizar a forma das pessoas viverem.

Lotou

O Iate Clube de Aracaju, ponto histórico de reuniões e eventos políticos do Estado, ficou “pequeno” para a multidão que esperou por Valadares Filho e ACM Neto. Representantes de diversos partidos, candidatos a vereador eleitos ou não, segmentos da sociedade civil organizada e pessoas da comunidade, além de lideranças políticas do interior.

Tudo ou nada

Diante da reviravolta dos números em Aracaju, está clara a estratégia de Edvaldo Nogueira para este 2º turno: vai para o tudo ou nada contra Valadares Filho. Sua participação no debate da TV Atalaia foi mais incisiva e nas redes sociais seu agrupamento tem partido para o ataque contra o candidato do PSB.

Polêmica boba

O agrupamento de Edvaldo Nogueira aposta muitas fichas criando uma polêmica em cima do voto pessoal da senadora Maria do Carmo (DEM) a Valadares. O prefeito João Alves (DEM) não se manifestou e também entrou “na roda”. Independente de como votam os democratas, o eleitorado deles já se posicionou e está decidido. E o que pesará no próximo dia 30 não é discurso, mas voto.

Pressão

Chega a informação para este colunista que o governador Jackson Barreto (PMDB) teria aumentado a dosagem de medicamentos para controlar a pressão. Como se não bastassem as dificuldades de ordem financeira e administrativas, JB também viu seu candidato perder a dianteira da corrida eleitoral em Aracaju e o cenário “mudou de cor”…

Assembleia Legislativa

O governador não terá vida fácil na Assembleia Legislativa. Deputados como Luciano Pimentel (PSB), Róbson Viana (PEN) e, possivelmente, Silvia Fontes (PDT) vão trilhar na oposição, junto com Georgeo Passos (PTC), Maria Mendonça (PP), além dos novatos Morito Matos (PROS) e Adelson Barreto Filho (PR). Gilmar Carvalho (sem partido) é uma incógnita e resta saber como ficam os deputados Venâncio Fonseca (PP), Capitão Samuel (PSL) e Dr. Wanderbal (PTC).

Valmir Monteiro I

O prefeito eleito de Lagarto, deputado estadual Valmir Monteiro (PSC), encontra-se em Brasília (DF), onde faz uma peregrinação pelos gabinetes dos parlamentares sergipanos em busca de recursos federais no Orçamento da União para o exercício de 2017, com o objetivo de garantir o crescimento e o desenvolvimento do município.

Valmir Monteiro II

Valmir foi recebido pelo líder do governo do presidente Michel Temer (PMDB) na Câmara Federal, deputado André Moura (PSC). Em seguida, Valmir Monteiro foi recebido pelo deputado federal Fábio Reis (PMDB), e deixou claro que o sucesso de sua gestão em Lagarto estará acima das diferenças políticas.

Fábio Reis

“Temos emendas alocadas para este exercício de 2016 e temos que buscar a garantia de recursos para o ano que vem. Fábio Reis é um adversário político, mas vim fazer um apelo em nome do povo de Lagarto: que ele não deixe de ajudar o município por conta das divergências políticas”.

Emendas

Valmir Monteiro está focado em garantir que a bancada federal de Sergipe apresente emendas ao Orçamento beneficiando o povo de Lagarto. “Fui dizer a Fábio Reis que a emenda e os recursos que ele colocar para o município, eu não deixarei de tonar isso público, darei a devida repercussão. A eleição acabou e nós vencemos. Minha obrigação é deixar a política de lado e pensar administrativamente em Lagarto”.

Obra

O prefeito eleito está buscando recursos que garantam logo no primeiro ano de gestão uma nova entrada de acesso ao município, através do povoado Limoeiro. “Pensamos em pista dupla, com ciclovia e com algumas áreas de lazer. Estamos buscando trazer mais mobilidade para o trânsito do nosso município. Esta obra será fundamental para a gente conseguir desafogar o fluxo de veículos que hoje se concentra nas ruas do centro de Lagarto”, disse, explicando que também pensa em dar andamento ao projeto de construção do anel viário de Lagarto que, segundo o deputado Fábio Reis, já está projetado.

UFS

Valmir Monteiro visitou alguns gabinetes acompanhado do reitor da Universidade Federal de Sergipe, Ângelo Roberto Antoniolli. Eles buscam recursos federais para o término das obras do Centro Especializado de Saúde da UFS e para a aquisição de equipamentos para o Centro de Odontologia, ambos no município de Lagarto. “Depois de ser referência na região em Medicina, Lagarto em breve será em Odontologia também”.

Fábio Mitidieri

O deputado federal Fábio Mitidieri (PSD/SE) é um dos signatários do abaixo-assinado apoiando a criação da FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DA VAQUEJADA, com o objetivo de regulamentar por meio de Lei Federal a vaquejada em todo o território nacional, como evento desportivo e cultural.

Vaquejada

A vaquejada é uma tradição em todo o Nordeste e é considerada por seus admiradores como um esporte-recreativo e competitivo. A vaquejada consiste em fazer dois vaqueiros a cavalo correrem atrás do boi, emparelhar e tentar levá-lo para uma área demarcada por duas linhas paralelas pintadas de cal, onde o derrubam. Essa derrubada é feita em uma arena de areia, nem muito fofa nem muito dura, com 10 metros de comprimento e o animal não sofre nenhuma violência, nem maus tratos.

Tradição

“A Vaquejada está na alma do nordestino brasileiro há mais de 100 anos, além de não maltratar o boi é fonte de renda para milhares de famílias, gerando mais de 120 mil empregos diretos e indiretos para centenas de famílias e movimentando uma economia de mais 600 milhões de reais por ano em toda região nordestina”, comentou Mitidieri.

CRÍTICAS E SUGESTÕES

habacuquevillacorte@gmail.com e habacuquevillacorte@hotmail.com

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Sergas doa à comunidade do Conjunto Augusto Franco dois abrigos para ponto de ônibus
Segunda dose da CoronaVac está disponível na Sementeira e auditório Antônio Vieira Neto
Membros, servidores e terceirizados vacinados contra gripe no MPSE
PM prende homem por violência doméstica na Grande Aracaju