Aracaju, 29 de novembro de 2021

Meteorologista diz que seca no Sertão fechará ciclo de sete anos sem chuvas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Meteorologista diz que eca no Sertão fechará ciclo de sete anos sem chuvas (Foto: Jadilson Simões)

A previsão é de alerta para o Sertão e Semiárido Sergipano. De acordo com o meteorologista Overland Amaral, que participou da realização da audiência pública da Alese  nesta sexta-feira, 25, sobre a problemática da seca  e da escassez de água que afeta o sertão sergipano, a climatologia atual sobre a região Nordeste aponta para o fechamento do  ciclo de 7 anos de seca em Sergipe.

Para frisar o cenário exposto pelo cientista,  para o período chuvoso deste ano,  trimestre de junho a agosto,  era esperado o índice pluviométrico de 700 milímetros,  quando  somente choveu 300 milímetros. Um abalo para a população e agricultura da região.

“Estamos hoje no 5º ano de seca em todo o Nordeste e em Sergipe. Neste período o índice de pluviosidade (chuvas) foi extremamente abaixo da média histórica  prevista para todo o Estado,  e especialmente na região do Semiárido e Alto Sertão Sergipano.  Ou seja, categoricamente um período seco”, pontuou Overland Amaral.

Segundo explicou o meteorologista, os modelos climatológicos apontam que no próximo ano, 2017, semelhante situação que vivemos neste ano de 2016, será difícil para a agricultura e para o armazenamento de água.

“Dentro dos nossos estudos, do modelo aplicado para a projeção da previsão climatológica, a tendência não é muito boa. É bom entender que estamos no 5º ano consecutivo desse quadro meteorológico e, a tendência é entramos no ciclo de 7 anos de seca. Estamos caminhando com a mesma situação para o próximo ano e a perspectiva é que em 2018 o ciclo de sete anos de seca se concretize”, prevê.

Ação antrópica

Segundo explica o meteorologista, que na ocasião da audiência pública representou o secretário de Estado do Meio Ambiente, Olivier Chagas, essa situação se agrava quando a situação de preservação e proteção ao Meio Ambiente é afligida pela ação do homem sobre a natureza.

“ Essa situação gritante da seca se dá ainda por efeito das ações antrópicas, como a retirada da cobertura vegetal, das matas ciliares das nascentes. Essa agressão quando feita sem controle a essas áreas,  agrava cada vez mais  o reabastecimento dos lençóis freáticos, que é uma situação séria e real, pois vivemos com essa situação. É fundamental contornar essa problemática como forma de minimizar os impactos causados pelas anomalias climáticas, a exemplo do El Nino, e outros fatores climáticos”, frisa o meteorologista da Semarh.

Por Agência Alese de Notícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Prefeitura intensifica ações voltadas à saúde do homem
Conselho de Psicologia estabelece prazo para adequação de serviços na Hapvida  
Dermatologista orienta sobre cuidados com a pele durante o Verão
39 famílias retiradas de casas em áreas de risco após fortes chuvas em Canindé de São Francisco