Aracaju, 29 de novembro de 2021

TEMER PEDE A EMPRESÁRIOS ESTRANGEIROS QUE INVISTAM NO BRASIL

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

da Agência Brasil

O presidente Michel Temer pediu aos investidores brasileiros e estrangeiros que colaborem para a retirada do país da crise e disse que instabilidades ocorridas no país, por diferentes motivos, podem “abalar as instituições” que, segundo ele, não são muito sólidas.

Ao discursar para uma plateia de empresários e membros do mercado financeiro, Temer disse que o capital estrangeiro está “ansioso” para aplicar recursos no país, mas que certas instabilidades institucionais têm atrapalhado esse processo. De acordo com o presidente, esse tipo de instabilidade é algo passageiro e não pode ser levada a sério.

“É interessante que, de vez em quando, há uma certa instabilidade institucional, um fato ou outro. Como nós não temos instituições muito sólidas, qualquer fatozinho, me permitam a expressão, abala as instituições. Então, o investidor fica um pouco assustado, seja nacional, e muito maiormente o estrangeiro”, defendeu.

Temer fez uma palestra em Brasília a 80 acionistas e presidentes de empresas com o tema “Perspectivas para o Brasil”. Segundo ele, é preciso que todos se esforcem e colaborem para a saída da crise.

“Por isso volto dizer que, ao vos falar, peço compreensão de que os senhores podem investir nas várias atividades que têm porque o Estado brasileiro e, no particular, o governo brasileiro, não os decepcionará. Nós vamos crescer”, afirmou ainda.

Durante o discurso, Temer citou os protestos que levaram milhares de pessoas às ruas em 2013, que segundo ele pediam eficiência nos serviços públicos, e classificou ainda o cenário econômico como de recessão. Segundo ele, o controle dos gastos públicos é a principal maneira de combater a crise.

O presidente disse também que há certa urgência no retorno do crescimento e que a pressa “é natural”. “Não temos que nos impressionar com movimentos sociais e com o que postulam porque são legítimas [as reivindicações e] nos fazem ficar mais atentos ainda para alcançarmos logo o crescimento do país”, afirmou.

Antes de Temer, o ministro da Transparência e da Controladoria-Geral da União (CGU), Torquato Jardim, discutiu as relações entre setores privado e público. Já o cientista político Murillo Aragão elogiou medidas que o governo vem implementando, como a proposta que limita os gastos públicos do governo e a Reforma do Ensino Médio.

“Olhando tudo o que acontece hoje, não posso deixar de ser cautelosamente otimista. Não iremos recuperar o otimismo econômico de uma hora para outra. A recuperação da credibilidade econômica do Brasil irá demorar, mas o certo é que hoje temos um rumo muto mais adequado”, defendeu.

O evento “Brasil Futuro”, organizado pela Consulting House, busca compartilhar ideias de empresários brasileiros e membros de conselhos sobre a retorno do país ao título de “potência econômica”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Arquiteta fala sobre mudanças nos lares durante a pandemia
Inscritos no Enem fazem neste domingo segundo dia de provas
Covid-19: Aracaju vacinou 17.398 mil pessoas nesta semana
Vice-governadora conhece serviços da Casa Mulher em Itabaianinha