Aracaju, 27 de novembro de 2021

Leite produzido em irrigação tem assistência gerencial do Senar (foto: Ascom/Cohidro)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Capacitações para 20 produtores de leite de Tobias Barreto ocorreram nesta terça e quarta-feira, 29 e 30. Esse primeiro encontro foi uma Formação Profissional Rural (FPR), que faz parte do programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG), aplicado no estado pelo do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Sergipe (Senar-SE) e vai durar 2 anos. Ocorreu no Perímetro Irrigado Jabiberi, administrado no município pela Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro) e onde produzem 10 desses pecuaristas, que agora terão mensalmente os cursos e atendimentos individualizados nas propriedades.

O Jabiberi focou sua aptidão à criação de gado leiteiro quando, em 2010, a assistência técnica e irrigação pública da Cohidro, a consultoria do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas em Sergipe (Sebrae-SE) e financiamento do Banco do Brasil, inseriram no polo de irrigação o modelo de produção de leite do programa ‘Balde Cheio’, criado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em sua unidade  de São Carlos-SP. Gerente do Perímetro, José Reis Coelho contabiliza os resultados obtidos.

“Após os dois anos introdutórios do programa, o resultado do Balde Cheio foi de 40 criadores que aderiram ao sistema e hoje produzem juntos uma média diária de 3,7 mil litros de leite, 73% a mais do que era gerado no início do programa. No Perímetro, em 2015 foram gerados 1.342.795 litros de leite, 8,7% a acima do ano anterior”, salienta Coelho, que ainda defende a capacidade produtiva dos pecuaristas que assiste, justificando eles serem atendidos pela ATeG.

Além de produzir bem, o pecuarista precisa administrar o seu agronegócio para ter renda justa na hora de negociar o leite e não sair no prejuízo. Desta forma, a proposta da ATeG do Senar-SE vem propor a capacitação para um melhor gerenciamento da propriedade rural. Em todo Estado a capacitação está ocorrendo em um total de sete municípios, inclusive atendendo agricultores irrigantes do Perímetro Piauí, em Lagarto, e Califórnia, em Canindé de São Francisco, administrados também pela Cohidro, que é uma empresa subsidiária da Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri).

Segundo Luana Aragão, coordenadora do programa ATeG no Senar-SE, o primeiro FPR em Tobias Barreto tratou de Escrituração Zootécnica. “A primeira instrutora foi Marise Stela Paes de Azevedo, Zootecnista, e faremos uma capacitação FPR de 16h por mês, onde ainda serão tratados assuntos como o manejo nutricional, sanitário, reprodutivo, pastagens, reserva alimentar para o semiárido, dentre outros”.  Ela explica que para os criadores fazerem parte do grupo, além da obrigação da assiduidade nesses encontros coletivos, eles ainda tiveram que atender antes alguns critérios.

“O critério foi de o criador ter produção acima de 70 litros de leite por dia para participar, com a obrigatoriedade de possuir DAP (Declaração de Aptidão ao Pronaf), CCIR (Certificado de Cadastro do Imóvel Rural) ou NIRF (Número do Imóvel na Receita Federal)”, explicou Luana. A coordenadora defende que “hoje, a maior dificuldade de todos os produtores é a questão de gerenciamento. Muitos produzem e não sabem quanto vale, quanto é o custo de produção do que ele produz. Então nossa assistência é isso: ajudar a gerenciar o produto dele, para não sair perdendo”, completou.

Para José Carlos Felizola Filho, presidente da Cohidro, o programa é bastante abrangente e pode ser um ‘empurrão’ necessário nesses tempos de crise. “Está cada vez mais difícil empreender sem ter prejuízo e o negócio rural, que é a base da cadeia produtiva, é onde fica a menor parte da renda gerada, quase sempre com o produto desvalorizado pela ação da movimentação do mercado financeiro. Saber produzir com eficiência, sem ter prejuízo é uma questão de sobrevivência. Por isso apoio e agradeço essa mão que o Senar-SE está dando aos nossos produtores desses três perímetros inseridos no ATeG”, considera.

Visitas individuais

Annelise Aragão Correa, Zootecnista e técnica do Senar-SE responsável por Tobias Barreto, explica como ocorre o atendimento individualizado dos produtores inseridos na ATeG. “As visitas são individuais e tem a duração de quatro horas. É o acompanhamento da parte de despesas: quanto gasta com o concentrado, quanto gasta de insumo, quanto gasta com adubo. É para ver os pontos em que eles estão gastando mais e o que pode ser melhorado no rebanho, no acompanhamento de peso dos bezerros. É uma assistência técnica mais voltada para o gerenciamento da propriedade e a intenção é que depois de dois anos ele comecem a seguir sozinhos”, conta, expondo que, havendo necessidade, o programa poderá ser renovado por mais 24 meses.

Para o diretor de Irrigação e Desenvolvimento Agrícola da Cohidro, João Quintiliano da Fonseca Neto, o apoio do Senar-SE, assim como já ocorreu com o Sebrae-SE, é uma parceria que auxilia à Empresa no acompanhamento desses irrigantes. “O foco maior de nossa assistência técnica é a agricultura, é o plantio a partir da irrigação, seja de lavouras, seja de pastagens, como é o caso na maioria das propriedades do Jabiberi. Ter este apoio desses órgãos, fornecendo zootecnistas e veterinários, complementa o trabalho da Companhia nessas especialidades em que somos bastante carentes de pessoal. Da mesma forma que o know-how da Cohidro, de quase 30 anos auxiliando esses produtores, adianta bastante o trabalho destes programas”, conclui.

Ascom/Cohidro

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Políticos e lideranças defendem Mitidieri e só a “bolha” prefere Edvaldo! 
Beneficiários da tarifa social terá bandeira verde em dezembro
PC prende investigado por homicídio praticado em São Cristóvão
Espetáculo  Parada de Natal é uma das atrações deste sábado