Aracaju, 1 de dezembro de 2021

MPF/SE assina contrato de locação para nova sede (Foto assessoria)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Mudança está prevista para o primeiro semestre de 2017

O Ministério Público Federal em Sergipe (MPF/SE) assinou ontem (21), o contrato de locação do imóvel para a nova sede do órgão. O prédio alugado é o edifício empresarial que está em fase final de construção na rua José Carvalho Pinto, bairro Garcia, em Aracaju, próximo ao Colégio Master. O contrato de locação é de 15 anos e tem valor mensal de R$ 252 mil, valor 30% abaixo da avaliação oficial do imóvel. A mudança está prevista para o primeiro semestre de 2017.

A área locada tem aproximadamente 10 mil metros quadrados disponíveis. A mudança representará um significativo ganho para a unidade, que atualmente dispõe de cerca de 3,8 mil metros quadrados, divididos entre os quatro imóveis residenciais adaptados que ocupa no bairro Treze de Julho.

O procurador-chefe do MPF/SE, Heitor Soares, afirmou que o imóvel garantirá uma melhor prestação de serviços do MPF à comunidade sergipana. “A nova sede é de fácil acesso, além de oferecer mais conforto e segurança para todos que circulam ou trabalham no MPF. Além disso, garantiremos acessibilidade plena para pessoas com deficiência”, destacou.

Histórico – Desde 2007 o MPF realiza tratativas para aquisição de uma nova sede. Em 2011, o órgão chegou a licitar a construção de um prédio próprio, que seria erguido em terreno da União na avenida Gonçalo Prado Rollemberg. Mas em 2015 a obra foi suspensa por problemas técnicos que estão sendo discutidos judicialmente e, no mesmo período, a empresa responsável pela obra entrou com pedido de recuperação judicial e pediu a rescisão do contrato.

Como opção à construção de uma sede própria, o órgão lançou editais com convites públicos para oferta de imóveis para locação. Em duas rodadas de chamamentos públicos, 15 propostas foram avaliadas pela equipe administrativa do MPF/SE. Apenas dois imóveis atendiam os requisitos técnicos da proposta, mas não cumpriram requisitos legais para a contratação. Assim, o chamamento foi encerrado sem sucesso.

O prédio alugado hoje participou do chamamento, mas não foi classificado à época, por inadequações técnicas e de preço que constavam do edital. Os proprietários fizeram uma nova proposta e as negociações foram reiniciadas. O procurador-chefe explica que o aluguel sob encomenda é uma tendência no serviço público, já que garante celeridade na contratação e economia de recursos. “Além de ser um processo de contratação mais simples que a licitação de uma obra, com a locação, os custos de construção e reforma do imóvel são do proprietário, não do órgão”, diz Heitor Soares. No caso do MPF/SE, reforça o procurador, o valor do aluguel contratado foi cerca de 30% menor que o da avaliação do imóvel feita pela Caixa Econômica Federal.

MPF/SE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Prefeitura de Aracaju inicia vacinação acima dos 12 anos em escolas municipais nesta quarta
Na Alese, Câmara Municipal de Aracaju sediou a audiência do Fórum Itinerante do PDES
Secretaria de Saúde registra 12 novos casos de Covid-19 e nenhum óbito nesta terça-feira
Posição política do PL agora