Aracaju, 6 de dezembro de 2021

CRISE POLÍTICA ATINGIU TAMBÉM O SUPREMO; RELEMBRE OS FATOS 2016

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O ano de 2016 foi marcado pela crise política nos poderes Executivo e Legislativo, mas quem esperava que o Supremo Tribunal Federal (STF) teria papel secundário na vida política do país, já que as atenções estavam voltadas para o outro lado da Praça dos Três Poderes, se enganou.

No últimos 12 meses, a Suprema Corte brasileira foi chamada a garantir a governabilidade do país, mas trouxe para dentro do tribunal a instabilidade dos outros Poderes. O STF teve que tomar decisões que interferiram no cenário político conturbado.

Rito do impeachment

Brasília - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, durante o terceiro dia da sessão de julgamento do impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, durante o terceiro dia da sessão de julgamento do impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

Em março, em uma das primeiras decisões polêmicas do ano, a Corte se reuniu para decidir a validade do rito do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Por 9 votos a 2, a Corte validou sua própria decisão que havia definido as regras de tramitação e abriu caminho para a aprovação do processo na Câmara dos Deputados. Como determina a Constituição, foi o então presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski, quem conduziu a votação final do impeachment.

Lula ministro

Brasília- O presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, fala sobre o resultado do segundo turno das eleições municipais de 2016 (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
O presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes,Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Dias depois, uma decisão do ministro Gilmar Mendes aumentou ainda mais a temperatura política em Brasília. Mendes decidiu suspender a posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no cargo de ministro-chefe da Casa Civil de Dilma.

O ministro atendeu a um pedido liminar do PPS e do PSDB, em uma das 13 ações que chegaram ao Supremo questionando a posse de Lula. Na época, em seu despacho, Mendes disse que a nomeação do ex-presidente para o cargo de ministro teve o objetivo de retirar a competência do juiz Sérgio Moro para investigá-lo na Operação Lava jato.

Eduardo Cunha tem mandato suspenso

Brasília - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot (E), e o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, na sessão de julgamento de denúncia da PGR contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (Antonio Cruz/Agê
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot (E), e o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, na sessão de julgamento de denúncia da PGR contra Eduardo Cunha Antonio Cruz/Agência Brasil

 

Em maio, o Supremo voltou aos holofotes da imprensa nacional ao referendar a decisão liminar do ministro Teori Zavascki, que determinou a suspensão do mandato do ex-deputado Eduardo Cunha, réu na Lava Jato, que viria a ser cassado posteriormente pela Casa. Durante o julgamento, o Supremo entendeu que Cunha usava o mandato para  “promover interesses espúrios”.

Posse de Cármen Lúcia

Brasília - O presidente do Senado, Renan Calheiros, a nova presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, e o presidente Michel Temer, durante a cerimônia de posse (Wilson Dias/Agência Brasil)
Posse da nova presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen LúciaWilson Dias/Agência Brasil

Em setembro, chegou um dos momentos mais esperados na Corte, a  posse da ministra Cármen Lúcia na presidência da Casa para um mandato de dois anos. Adepta de hábitos simples, como dispensar carro oficial para ir ao tribunal,  a ministra surpreendeu a todos  na abertura da sessão de posse. Ela quebrou o protocolo e começou seu discurso dirigindo-se aos cidadãos brasileiros, a quem chamou de “autoridade suprema sobre todos nós, servidores públicos”. Logo após assumir, Cármen Lúcia deu novo ritmo ao plenário do Supremo, que passou a julgar questões pendentes por grupo de processos.

Prisão após segunda instância

Brasília - O presidente do STF, Ricardo Lewandowski, na sessão do STF em que se julgou que as investigações da Operação Lava Jato sobre o ex-presidente Lula devem permanecer na Corte(Marcelo Camargo/Agência Brasil)
O presidente do STF, Ricardo Lewandowski, em sessão do STFAntonio Cruz/Agência Brasil

Numa das decisões mais aplaudidas pela população e recebida de forma cética por profissionais do direito, a Corte decidiu autorizar a prisão de condenados criminalmente pela segunda instância da Justiça. A questão precisou ser julgada duas vezes e somente em outubro veio a decisão definitiva. Por maioria de votos, o plenário da Corte rejeitou as ações protocoladas pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e pelo Partido Ecológico Nacional (PEN) para que as prisões ocorressem apenas após o fim de todos os recursos, o trânsito em julgado.

Desaposentação

Brasília - A presidente do STF, Cármen Lúcia, e os ministros Marco Aurélio (E) e Ricardo Lewandowski chegam para sessão sobre repercussão nas ações de desaposentação (José Cruz/Agência Brasil)
A presidente do STF, Cármen Lúcia, e os ministros Marco Aurélio (E) e Ricardo Lewandowski chegam para sessão sobre repercussão nas ações de desaposentação José Cruz/Agência Brasil

A Corte também foi palco de decisões impopulares em 2016, a principal delas sobre a proibição da desaposentação. Em outubro, por 7 votos a 4, os ministros consideraram a desaposentação inconstitucional por não estar prevista na legislação previdenciária.  A decisão surpreendeu quem havia ganhado na Justiça o direito de revisar o benefício da aposentadoria por ter voltado a contribuir com a Previdência Social.

Renan Calheiros 

Brasília - O ministro Marco Aurélio Mello participa de sessão plenária do Supremo Tribunal Federal, para julgar vários processos (Antonio Cruz/Agência Brasil)
O ministro Marco Aurélio Mello concedeu liminar para afastar Renan Calheiros da Presidência do SenadoAntonio Cruz/Agência Brasil

No dia 5 dezembro, uma segunda-feira, dia em que o Congresso costuma estar vazio, uma decisão do ministro Marco Aurélio surpreendeu a capital federal. Atendendo a um pedido do partido Rede Sustentabilidade, o ministro determinou o afastamento do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do cargo. Para a legenda, o senador não poderia continuar no cargo por ter se tornado réu na semana anterior pelo crime de peculato.

Mais surpreendente do que a decisão do ministro, foi a recusa do presidente do Senado de ser notificado. Enquanto um oficial de Justiça aguardava, por dois dias, cumprir o mandado de intimação, a Mesa Diretora enviou documento ao STF para informar que aguardaria uma decisão do planário para ratificar a decisão de Marco Aurélio.

A solução encontrada para não piorar a crise instalada entre o Supremo e o Legislativo foi derrubar a decisão liminar do relator e apenas criticar o descumprimento da decisão, sem citar o nome de Renan.

Dez medidas contra a corrupção

Brasília - O ministro Luiz Fux, durante sessão plenária no STF (José Cruz/Agência Brasil)
O ministro Luiz Fux suspendeu tramitação de processo da CâmaraJosé Cruz/Agência Brasil

Uma semana depois do caso envolvendo o presidente do Senado, quando a crise parecia arrefecida, mais uma decisão individual abalou o relacionamento entre o Supremo e o Congresso. O ministro Luiz Fux suspendeu a tramitação do projeto de lei sobre as “Dez Medidas contra a Corrupção”, texto que teve tramitação polêmica dentro da Câmara dos Deputados antes de seguir para o Senado. O texto recebeu críticas por ter sido desconfigurado pelos deputados, que fizeram emendas  para estipular que juízes e procuradores respondam por crime de responsabilidade por suas decisões. Mais uma vez, houve reação da Câmara dos Deputados. O presidente, Rodrigo Maia, disse que o despacho era interferência nos trabalhos da Casa.

Odebrecht

Brasília - Ministro Teori Zavascki na sessão plenária do STF para definir a tese de repercussão geral nas ações que tratam da desaposentação (José Cruz/Agência Brasil)
Ministro Teori Zavascki, relator dos processos da Lava Jato no STF José Cruz/Agência Brasil

Os trabalhos de 2016 terminaram no Supremo, com o recebimento das 77 delações de executivos da empreiteira Odebrecht na Operação Lava Jato. No dia 19 de dezembro, após a última sessão do ano, o ministro Teori Zavascki, relator dos processos da Lava Jato, concedeu uma rara entrevista aos jornalistas. Ao  comentar o recebimento dos documentos, Zavascki disse que ele e sua equipe vão trabalhar durante o mês de janeiro para analisar o material e ter condições de homologá-lo até a volta dos trabalhos em fevereiro.

Foto Wilson Dias/Agência Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Polícia combate roubos de produtores agrícolas em Canindé
PMA abre inscrições de 900 vagas em oficinas online da Fundat
Horários de vacinação contra a Covid em drive-thru e unidades de saúde são alterados
Câmara de Canindé aprova Título de Cidadão para Sales Neto