Aracaju, 5 de dezembro de 2021

Superlotação nos presídios de Sergipe preocupa Defensoria Pública e Desipe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Instituições buscam formas de reduzir os impactos negativos em todas as unidades prisionais

Superlotação e situação dos presos provisórios tem sido uma preocupação constante da Defensoria Pública do Estado de Sergipe. E para buscar uma solução para essa problemática o defensor público geral, Jesus Jairo Almeida de Lacerda, juntamente com o subdefensor geral, Leó Neto e o presidente da Associação dos Defensores Públicos, Ermelino Cerqueira se reuniram com o diretor do Departamento do Sistema Prisional do Estado (DESIPE), Agenildo Machado de Freitas; do vice-diretor do Desipe, Hélio Matheus de Oliveira Santos e do diretor da Cadeia Pública de Estância, Jean Guimarães para traçar estratégias com o objetivo de reduzir os impactos negativos no sistema prisional.

Uma das alternativas apontadas pela Defensoria Pública do Estado é a realização de um esforço concentrado para analisar os processos de todos os presos provisórios.  “Fomos convocados pela Defensoria Pública para discutirmos a realização de um mutirão para analisar alguns processos do sistema carcerário. A Defensoria vai enviar a lista de atendimento com certa antecedência para deixarmos os internos preparados para o atendimento como forma de realizar a análise da situação dos custodiados”, disse o diretor do Desipe, Agenildo Machado.

“O apoio da Defensoria Pública é muito importante, uma vez que a assistência dos defensores públicos aos internos evita rebeliões, dá celeridade aos processos com mais rapidez, melhora as condições dos presos e reduz a superlotação, que é o maior problema existente nos presídios não só de Sergipe como também de todo o país”, apontou o diretor da Cadeia Pública de Estância, Jean Guimarães.

O defensor público geral, Jesus Jairo Lacerda, ressaltou que semanalmente os defensores públicos realizam atendimento nos presídios analisando processos de todos os presos e buscando melhorias com o objetivo de evitar superlotação e possíveis rebeliões. “Os defensores públicos vão aos presídios regularmente para atender os presos. Além disso, a Defensoria realiza inspeções para verificar as irregularidades e cobrar melhorias seja administrativamente ou através de ação judicial. A instituição vai lançar o projeto “Mobilização da Defensoria Pública frente à Superlotação Carcerária”, que será lançado na segunda-feira, 30, às 8h, cujo objetivo    ”, pontuou.

Por Débora Matos

Foto Assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Mais da metade dos maiores de 18 anos consome bebidas alcoólicas
Assédio é principal violência a meninas em ambiente virtual
Entenda as novas regras da Tarifa Social de Energia Elétrica
Simão Dias receberá Centro de Especialidades Médicas e Base do Samu