Aracaju, 4 de agosto de 2021

Corpo de Tom Veiga é velado em cerimônia restrita a familiares e amigos no Rio. Intérprete do Louro José morreu vítima de um AVC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O corpo de Tom Veiga, intérprete do Louro José, foi velado na manhã desta terça-feira (3) na Zona Oeste do Rio, em cerimônia restrita a familiares e amigos. O velório foi realizado das 8h às 11h no condomínio onde o ator morava.

Para evitar aglomeração, a cerimônia foi dividida em grupos. A primeira parte aconteceu apenas para familiares e depois foi aberta aos amigos.

O enterro será na quarta-feira (4), em São Paulo. O corpo foi liberado do IML do Rio na tarde desta segunda (2).

Veiga foi encontrado morto em casa na Barra da Tijuca, no Rio, neste domingo (1º). O laudo do Instituto Médico-Legal, ao qual a Globo teve acesso, aponta que o ator e humorista teve um Acidente Vascular Cerebral (AVC) hemorrágico, provocado por um aneurisma.

O exame de necropsia revelou que Tom Veiga já estava acometido por um aneurisma cerebral, que é um tipo de inchaço de vaso sanguíneo cujo rompimento costuma ser fatal. Geralmente, um aneurisma não provoca nenhum tipo de sintoma, o que dificulta diagnóstico precoce e tratamento eficaz.

Homenagem de Ana Maria Braga

Nesta segunda-feira, a apresentadora Ana Maria Braga homenageou o amigo em seu programa “Mais Você”.

A parceria entre Ana e Tom Veiga já durava 24 anos.

Eu fiquei pensando como eu ia conseguir chegar aqui e falar bom dia para vocês, porque dói muito. Assim como uma mãe perde um filho, um companheiro, porque filho da gente é um companheiro que você viu nascer e ele era isso”, disse.

Por Cláudia Loureiro e Cristina Boeckel, G1 Rio

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Pablo Sanábio chora ao lembrar da chegada da filha durante gravação de ‘Sob Pressão’
Bruna Marquezine faz aniversário e ganha homenagens: “Você é o próprio paraíso”
Thales Bretas fala de 3 meses da morte de Paulo Gustavo: “Vácuo na vida”
Justiça condena um dos quatro acusados de matar três homens dentro de hospital em Aracaju