Aracaju, 1 de agosto de 2021

Doenças venosas pioram no verão: cirurgião vascular explica como se proteger 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Apesar do verão com restrições em meio a pandemia, um fator ainda se iguala aos anteriores, as altas temperaturas. O que muitos não sabem é que o desconforto, inchaço e queimação nas pernas tendem a aumentar nessa estação, e servem como um sinal de alerta, pois o indivíduo pode estar com uma doença venosa. De acordo com o Cirurgião Vascular Dr. Fellipe Menezes, isso acontece devido ao calor que provoca a vasodilatação, ou seja, as veias podem aumentar de tamanho e com isso os sintomas também aparecem.

Os sintomas mais comuns são dor tipo cansaço ou peso, além de inchaço, dormência, câimbras e até mesmo alterações na cor da pele, alguns cuidados podem afastar o problema. “Praticar atividade física, controlar a obesidade, beber água (2 a 3 litros por dia) e hidratar a pele são essenciais, isso produz uma melhora geral da circulação”, explica.

Apesar de mais rara, a eritromelalgia, conhecida por doença de Mitchell, também pode ser potencializada pelas altas temperaturas do verão.  Essa doença vascular se caracteriza pelo inchaço das extremidades, sendo mais comum de surgir nos pés e nas pernas, causando dor, vermelhidão, coceira, hipertermia e queimação.

Segundo Dr. Fellipe, a melhor proteção é a prevenção, porém, alguns pacientes que já possuem doenças como varizes, devem procurar ajuda com profissionais especializados.  “Atualmente, as principais opções terapêuticas são as aplicações, a cirurgia – por exemplo, miniflebectomia e endolaser – e o Clacs ( Cryolaser & Cryosclerotherapy ) que combina e potencializa as técnicas de escleroterapia e laser transdérmico sob o resfriamento da pele para ajudar a deixar as pernas bem cuidadas para o verão. Com a técnica, os riscos de manchas e reações alérgicas são menores. Além disso, os efeitos podem ser vistos após um menor número de sessões e o retorno às atividades é imediato. O procedimento é realizado sem dor e sem cirurgia”, finaliza o cirurgião vascular.

Para conhecer mais sobre a técnica entre em contato com o (79) 9 8828-2020.

Fonte: Jornalista Rodrigo Alves.

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Belivaldo assina Ordem de Serviço da  etapa 2ª do Canal Remanso
Quinto dia de greve conta com caminhada e apitaço em Maruim
Belivaldo elogia trabalho de André e diz que Edvaldo foi feliz na parceria 
Motoristas de carro fumacê são capacitados pela Funesa