Aracaju, 4 de agosto de 2021

SSP digitalizará cerca de 4,5 milhões de documentos em parceria com a Unit

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A maioria desses documentos são do Instituto de Identificação e objetivo da digitalização é a transparência e a redução do impacto ambiental com arquivos em papel

A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), por meio da Assessoria de Planejamento (Asplan), fechou uma parceria com a Universidade Tiradentes (Unit) para digitalizar 4,5 milhões de documentos existentes em vários setores do órgão, sendo que a maioria se refere ao Instituto de Identificação. O projeto tem por objetivos a redução de papel e espaço, o investimento na educação e na profissionalização dos alunos, qualificando a mão de obra local, proporcionando, ainda mais, a melhoria na transparência do Estado, a redução do impacto ambiental com arquivos em papel, de modo a otimizar o trabalho do servidor e a velocidade no atendimento ao público. A portaria 05/2020 regulamenta a virtualização de documentos e processos no E-Doc e a pandemia da Covid-19 acelerou esse processo de digitalização.

A primeira etapa do projeto será a digitalização dos documentos e o desenvolvimento da inteligência artificial (software) que irá extrair e reescrever o documento, facilitando as buscas e criando um banco de dados. O sistema contará com uma interface dinâmica para facilitar o acesso dos servidores da SSP.

De acordo com Fábio Gomes, professor da Unit e líder do grupo de pesquisa do projeto que envolve a digitalização e sistemas aplicados à transformação digital, os alunos poderão colocar em prática o aprendizado teórico, e contarão com o acompanhamento da universidade. “É um estágio aplicado à pesquisa. A Unit vai acompanhar, treinando os alunos, qualificando-os e fazendo pesquisas, a fim de criar um sistema que atenda às necessidades da SSP, em todos os âmbitos. A ideia não é só a digitalização, mas de um sistema que dará suporte às buscas inteligentes e à extração das informações”, relatou o professor.

A princípio serão convocados, por uma seleção prévia, 34 alunos de cursos voltados às áreas da Tecnologia da Informação que, por meio de estágio no projeto, levarão a tecnologia para os processos corriqueiros da secretaria.

Inicialmente, serão atendidos o Instituto de Criminalística (IC), o Instituto Médico Legal (IML), o Instituto de Identificação, o Instituto de Análises e Pesquisas Forenses (IAPF), a Assessoria de Planejamento (Asplan) e o Departamento de Administração Financeira (DAF). Outros órgãos também já trabalharam em conjunto com o projeto, a exemplo do Serviços Gráficos de Sergipe (Segrase), Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) e Corpo de Bombeiros.

A major Denise Sousa, assessora da Asplan, responsável pela coordenação do projeto de gestão eletrônica de documentos, destacou que o sistema permitirá a consulta específica de situações envolvendo os servidores da SSP. “O sistema traz um diferencial que, depois da digitalização, faremos perguntas e dentro delas serão dadas respostas. Por exemplo, quero saber a idade e quantidade de profissionais afastados do serviço e o que motivou esse afastamento. Para nós é interessante sempre ter esse tipo de informação. Também podemos fazer o resgate de nosso passado”, enfatizou.

Ainda segundo a major Denise Sousa, a intenção da Secretaria da Segurança Pública é a de que o projeto possa ser aplicado em outras áreas da secretaria. “No futuro, à medida que o projeto for se desenvolvendo, outros órgãos e locais podem ser incorporados ao projeto. Estamos dando o pontapé inicial para implantar e, a partir, dessa implantação, ao finalizarmos os locais atendidos agora, iremos incorporar outros”, complementou.

Sistema de digitalização e busca

O professor Fábio Gomes detalhou que o projeto vai além da digitalização dos arquivos físicos, trazendo uma interface de acesso às informações, que permite a seleção de dados a serem pesquisados, com a apresentação completa do documento. “Depois da seleção dos alunos, etapa primordial, por ser um projeto muito grande, começamos a fazer o processo de digitalização, o desenvolvimento da inteligência artificial que extrai e reescreve o documento dentro do banco de dados para permitir buscas. Levamos o documento para o meio digital. Quando for feita a busca, a pesquisa é feita nesse texto extraído e traz o documento original. O processo envolve a digitalização e os processos técnicos de revisão do documento e de inteligência artificial, e desenvolvimento de interface de fácil acesso”, especificou.

Fonte e foto SSP

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Prefeitura organiza espaços para food trucks em orlas da capital
Luciano solicita recuperação asfáltica, sinalização para SE-265
Deputado Georgeo Passos quer apuração sobre “rachadinhas” na Fundação Renascer
SES registra 249 casos de Covid-19  e mais 4 óbitos nesta terça