Aracaju, 1 de agosto de 2021

Enquanto os políticos “julgam” e se dividem, o Judiciário “politiza” com unidade 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

No momento em que a maior preocupação do povo brasileiro está focada na vacinação contra a COVID-19, para que tenhamos a volta de um “novo normal” dentro da maior brevidade possível, eis que temos instalada no País uma grave e perigosa crise institucional, entre o Poder Judiciário (leia Supremo Tribunal Federal – maior Corte do País) e o Poder Legislativo (leia Congresso Nacional), após a decretação da prisão em flagrante, pelo STF, do deputado federal Daniel Silveira (PSL/RJ).

Por entendimento do ministro Alexandre de Moraes, o parlamentar fluminense foi preso por ter postado, em suas redes sociais, um vídeo onde critica e faz ameaças aos ministros do STF e ao Estado Democrático de Direito. Daniel Silveira promete reagir, vê a prisão como inconstitucional e se estabeleceu um grande “conflito jurídico”. Por unanimidade o Supremo discordou, mas já há uma articulação do Legislativo para contornar a situação e evitar um “conflito institucional” ainda maior…

A prisão caiu como uma “luva” para setores da “grande mídia” que tentam insistentemente desgastar o governo federal. Daniel Silveira é “bolsonarista”, o que já bastou para os partidos de oposição e vários parlamentares contrários ao presidente não apenas defenderem a decisão do STF, como também já estudam a cassação do mandato do deputado fluminense. É bem verdade que esta não é a postura adequada de um parlamentar, mas até alguns oposicionistas avaliam a prisão como ilegal.

A nossa Carta Magna, a Constituição Federal, diz que é inafiançável “a ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem e o Estado Democrático”, ou seja, por mais “equivocada” que tenha sido a postura do deputado federal, para este colunista há um excesso perigoso em sua prisão, que abre sim uma série de precedentes, que podem valer para parlamentares de Direita, Esquerda, de Centro…ou seja, tivemos uma clara intervenção de um Poder sobre o outro, quando deveriam ser independentes…

E no momento em que a Constituição é “agredida”, PASMEM! Logo aqueles que tanto criticaram e condenaram o presidente Jair Bolsonaro, em meados de 2020, chegando a defender um possível impeachment, atacando sua postura como a de um “ditador”, agora são os mesmos que aplaudem a intervenção do Supremo Tribunal Federal que, até dia desses, era uma Corte omissa e que estava “articulando um golpe” contra a soberania nacional. Pura e simples conveniência…

Mas, independente dos desdobramentos que essa prisão possa ter, do que ainda pode ocorrer nessa relação conflituosa entre o Congresso e o STF, os fatos falam por si: a classe política se dividiu, entre apoiadores e opositores do governo federal para criticar ou defender o deputado; por sua vez, o Judiciário fechou questão e unanimemente decidiu pela legalidade da prisão. Magistrados fazendo a “boa política” e mantendo a unidade; políticos “julgando”, divididos e cada vez mais frágeis. Vale a reflexão…

Olha a Fundação!

Por essa nem o “macaco Simão” esperava: chegam para este colunista informações sobre o afastamento de um dos “pupilos” (distribuídos pela empresa Ankora) do presidente da Fundação Renascer, Wellington Mangueira. Existem fortes indícios de desvios de recursos públicos…Galeguinho, galeguinho…falta de aviso não foi…

Onde há fumaça…

Como este colunista “não é baú, para guardar segredo”, apenas antecipa: fala-se em vídeos, fotos, fornecedores fictícios, suprimento de fundos, funcionários desviados, veículos usados para fins particulares, e até agiotagem…tudo isso e mais um pouco em um órgão “Ankorado” e desgovernado por um presidente que, no mínimo, deveria ter se afastado do cargo para garantir a legitimidade das investigações. Haja histórico…

“Silêncio dos inocentes”

Recentemente esse afilhado, estável e “de férias”, viajou para diversos pontos turísticos levando junto a namorada e outros terceirizados que fazem parte de sua equipe, sem que os mesmos tivessem seus salários reduzidos! Será que foi algum “prêmio” pelo “silêncio dos inocentes”, do que vem sendo praticado? O pupilo  afirma que se fez algo errado, “muito mais errado é o que acontece dentro da fundação”! Como assim? É preciso apurar isso, ou não?

Na bronca

Chega também a informação de que o pupilo afastado está revoltadíssimo e desapontado com seu padrinho! Fala sem reservas, por onde passa, que “não vai sair desmoralizado”, assim como foi feito com os ex-diretores que por lá passaram. Inclusive com uma ex-diretora que era “pau mandado” do presidente, que jurava que se ela fosse demitida, ele iria junto, e nada fez quando da exoneração da mesma. A moça afundou sozinha! É ou não é uma novela essa “Renascer”?

Manifestação

A coluna soube também que os motoristas que trabalham para Fundação Renascer estarão, esta semana, fazendo um protesto e, ao que tudo indica, paralisando suas atividades! Salários constantemente atrasados, inúmeras férias vencidas, dentre outras irregularidades, que estão deixando os profissionais dessa área sem outra opção, para terem seus direitos correspondidos! A informação é que nenhum deles recebe periculosidade, enquanto os “apadrinhados” do presidente são contemplados com esse valor! A Fundação vive um verdadeiro “Carnaval”, mas não apenas em fevereiro, mas o ano inteiro…

CRÍTICAS E SUGESTÕES

habacuquevillacorte@gmail.com e habacuquevillacorte@hotmail.com

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Belivaldo assina Ordem de Serviço da  etapa 2ª do Canal Remanso
Quinto dia de greve conta com caminhada e apitaço em Maruim
Belivaldo elogia trabalho de André e diz que Edvaldo foi feliz na parceria 
Motoristas de carro fumacê são capacitados pela Funesa