Aracaju, 27 de julho de 2021

DELEGACIA DE GRUPOS VULNERÁVEIS TEM PREVISÃO DE INAUGURAR EM MARÇO

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

São Cristóvão terá em seu território uma Delegacia de Atendimento Grupos Vulneráveis (DAGV) que atuará prestando serviços à população vulnerável, como mulheres, crianças, adolescentes, idosos, deficientes, população LGBTQIA+, população negra e vítimas de intolerância religiosa. A DAGV funcionará no bairro Eduardo Gomes e tem previsão de ser inaugurada em março, anexo às instalações da 6ª Delegacia Metropolitana (6ª DM). O prédio passou por reformas e readequações em parceria com a prefeitura para atender às novas demandas de atendimento aos grupos vulneráveis.

Hoje (23) a prefeitura, que já vem realizando diversas reuniões junto com a equipe de segurança pública para discussão da implantação da DAGV, reuniu os representantes das secretarias envolvidas para discutir o andamento do projeto.

“Essa reunião com a rede foi bastante produtiva, pois pudemos nos conhecer pessoalmente conversar sobre a atribuição de cada instituição e de cada órgão da prefeitura, estreitar laços, para podermos construir uma rota favorável para as vítimas de violência doméstica familiar e todos os grupos vulneráveis”, afirmou a delegada Ana Carolina Machado, Coordenadora Geral do programa de mediação de conflitos da Polícia Civil.

“Esse diálogo próximo com os profissionais que vão ficar a frente dessa delegacia é de extrema importância, pois isso envolve a rede e toda essa construção de avançar no nível de acolhimento às pessoas, principalmente a mulher vítima de violência. Além disso, o município vem se comprometendo ativamente em construir todos os fluxos e protocolos para melhorar o atendimento às pessoas vítimas de violência”, afirmou Lucianne Rocha, secretária Municipal de Assistência Social e do Trabalho do município de São Cristovão (SEMAST).

Uma das propostas discutidas na reunião foi a possível implantação da Patrulha Maria da Penha em São Cristóvão. Segunda a Capitã Fabíola, coordenadora de ações de enfrentamento à violência doméstica da Polícia Militar, a participação do município é fundamental nesse enfretamento à violência.

“O mais importante é saber que todos os órgãos estão interessados, pois ninguém trabalha sozinho. Como nós vamos cuidar de uma mulher vítima sem ter uma estrutura do município que possa cuidar dela? Porque a polícia militar não pode estar junto o tempo todo. Então onde não estivermos, teremos a certeza de que outros órgãos estão cuidando daquela mulher. Saio animada dessa reunião, sabendo que temos pessoas interessadas a enfrentar junto essa luta contra a violência”, enfatizou ela.

Informações e foto assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Após viralizar, Brahma presta homenagem a vovó sergipana
Comandante Militar do Nordeste é condecorado por deputados estaduais na Alese
Cata-treco: confira a programação desta terça-feira, 27, em Aracaju
Boletim do coronavírus em Aracaju: 189 novos casos e dois óbitos