Aracaju, 28 de julho de 2021

Fecomse alerta sobre prejuízos financeiros e sociais acumulados pelos trabalhadores

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A Federação dos Empregados no Comércio e Serviços do Estado de Sergipe (Fecomse) alerta sobre as perdas salariais e sociais acumuladas nos últimos anos pelos trabalhadores e trabalhadoras do setor e lamenta a falta de interesse do patronato em avançar nas negociações das Convenções Coletivas de Trabalho.

Segundo o presidente da Fecomse, Ronildo Almeida, com essa atitude a classe empresarial demonstra total descaso pelos comerciários e comerciárias e pelo importante papel da categoria para o crescimento da economia. “A situação dos trabalhadores é bastante crítica, com acúmulo de prejuízos financeiros e sociais que vêm desde antes da pandemia e que foi agravado agora com a crise sanitária”, explica.

“Desde o começo da pandemia do coronavírus, estamos na linha de frente, com companheiros que se arriscam para manter os serviços funcionando. Muitos trabalhadores e trabalhadoras foram contaminados, convivem diariamente com o medo de pegar o vírus, não podem fazer o isolamento social porque precisam trabalhar, e, na hora em que buscam garantir os seus direitos, não são valorizados e respeitados”, ressalta Ronildo Almeida.

Segundo o presidente da Fecomse, além das perdas financeiras, há um processo de pressão muito grande com os novos tipos de contrato, metas a cumprir, acúmulo de função e aumento de jornada de trabalho. “Nos dias de hoje, quando se fala tanto em entendimento, em respeito, é uma vergonha esse tipo de exploração. Exigem tanto sacrifício da classe trabalhadora e tão pouco oferecem”, avalia Almeida.

“Temos data-base em janeiro e maio, e alguns ramos patronais, liderados pelo deputado federal Laércio Oliveira, já há algum tempo têm negado direitos dos trabalhadores. É um péssimo exemplo para um relacionamento, no mínimo respeitoso, entre o capital e o trabalho. É triste e preocupante esse tipo de atitude do patronato”, lamenta Ronildo Almeida.

O dirigente da Fecomse analisa que a situação só não é pior devido à firme atuação dos trabalhadores e das suas entidades representativas, que lutam pela manutenção dos direitos existentes e novas conquistas.

“Esperamos mais respeito pela mão-de-obra comerciária, que gera impostos e riquezas para o Estado.  Esperamos que nossos pleitos e necessidades sejam respeitados, não como um favor, mas como pagamento pelo trabalho efetivo que realizamos. É preciso urgentemente que negociemos nossa pauta, com reajuste salarial e melhores condições de trabalho”, defende Ronildo Almeida.

Por Tereza Andrade

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Prefeito de Aracaju recebe medalha do cinquentenário do TCE de Sergipe
Segundo dia de greve é marcado por ato na Saúde de Maruim
Maternidade promove simulado de evacuação em caso de incêndio com brigadistas
Banese faz parceria para alavancar turismo em Santana do São Francisco