Aracaju, 24 de setembro de 2021

Polícia Civil registra mais de 1300 denúncias de violência contra a mulher

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Com 1.357 denúncias por violência à mulher registradas pela Polícia Civil, o Dia da Mulher é de conscientização de direitos em Sergipe. Comemorado nesta segunda-feira, dia 08, a data trouxe debate sobre ciclo de violência e acolhimento em live realizada pela Universidade Tiradentes Sergipe (Unit-SE).

A convite da coordenação do polo de Lagarto, a terapeuta ocupacional e coordenadora do Grupo de mulheres em situação de violência, Sandra Aiache Menta falou sobre Violência contra a Mulher abrindo o debate de empoderamento que será realizado durante toda a semana no canal daUnit.

Sandra afirmou que não existe estereótipo de homem violento e explicou o ciclo da violência presente em relações abusivas, no qual é possível identificar comportamentos comuns aos agressores.

“O ciclo de violência tem a primeira fase chamada de acúmulo de tensão, que é quando a irritabilidade do homem aumenta, gerando a sensação de perigo para a mulher. É quando a autoestima feminina vai sendo minada e o homem diz coisas do tipo ‘só eu mesmo para te aguentar’. Isso pode durar anos”.

A segunda fase, de acordo com a terapeuta, é da explosão violenta. “Quando o homem resolve jogar objetos e agredir. É mais curta e é quando a mulher experimenta a ansiedade, tende a se isolar, a se sentir impotente, a ter vergonha. A violência é social, histórica e cultural”.

 Recursos

O que fazer em caso de ter sofrido ou ter presenciado violência contra a mulher? Para atender estes casos, a Secretaria de Segurança Pública de Sergipe dispõe do serviço 24 horas do Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV). A instituição abrange quatro delegacias, que podem atender crianças, adolescentes, mulheres, LGBT, negros e vítimas de intolerância religiosa.

Na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM), podem ser registrados crimes de ameaças, lesão corporal, assédio, estupro, casos de violência doméstica, tentativa de homicídio, dentre outros. A mulher vítima de algum tipo de violência pode acionar a polícia por meio do 190, ou mesmo do 180, a Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência, um serviço público, gratuito e confidencial oferecido pela Secretaria Nacional de Políticas do Governo Federal.

Assessoria de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Hospital Cirurgia realiza ação de incentivo à doação de órgãos
Prefeitura de Aracaju pagará salários dos servidores nesta segunda-feira, 27
Oficiais e praças do CBMSE recebem medalhas do centenário da corporação
PL de Talysson institui obrigatoriedade de atendimento em pavimento térreo a idosos