01/04/21 - 12:28:03

A única luta que se perde é a que se abandona, escreve coronel Rocha

A Covid é uma doença traiçoeira, não distingue sua vítima, indiscriminadamente se instala no ser humano causando os mais diversos sintomas e, às vezes, nenhum.

Nossos profissionais de saúde tem se desdobrado heroicamente para cuidar de todos nós, se arriscando diariamente, mesmo não tendo informações suficientes sobre este famigerado vírus.

Minha continência aos nossos heróis da saúde!

Existem também outros profissionais assim como os da saúde, a exemplo de profissionais da limpeza urbana, profissionais da limpeza das unidades de saúde, profissionais dos transportes públicos, dentre outros, que se arriscam em seu labor.

Mas gostaria de enfatizar o trabalho dos profissionais de segurança neste momento de pandemia.

Agregado ao perigoso trabalho dos policiais (GM, PM, PC, PF, PRF e PP) e bombeiros, às vezes também insalubre e penoso, de combate ao crime, de salvamento e de guarda do sistema prisional, a pandemia acrescentou ações de vigilância das medidas de distanciamento social e respeito às determinações das autoridades sanitárias, aumentando o contato direto e constante com o público, nas mais diversas situações.

Tudo isso faz com que os profissionais da segurança se exponham demasiadamente. Todavia esta categoria também precisa estar imunizada para continuar protegendo a população. Essa foi inclusive pauta recente de luta do Movimento Polícia Unida, que congrega nove entidades sindicais representativas de profissionais da área.

Inexplicavelmente o Ministério da Saúde não incluiu policiais e bombeiros no rol de prioridades para a vacinação, fazendo com que estes profissionais se mobilizassem nacionalmente.

Depois de muita luta em todo o Brasil, o Ministério da Saúde publicou hoje, dia 31 de março de 2021, a Nota Técnica nº  297/2021, incluindo, mesmo que tardiamente, policiais e bombeiros no rol prioritário de vacinação.

Em Sergipe essa mobilização, conduzida pelo Movimento Polícia Unida, foi capaz de unir todas as associações e sindicatos de policiais civis e militares, fato inédito na luta por melhores condições de trabalho.

Cabe registrar o silêncio e a omissão do governador Belivaldo Chagas nesse justo pleito dos profissionais que se dedicam a salvar vidas. Nenhuma palavra de apoio, nenhum gesto de solidariedade a um pleito tão digno. Os policiais e bombeiros só são essenciais para o desempenho de sua atividade laboral? Para preservar suas vidas, não?

Diversos estados da federação, inclusive alguns municípios já iniciaram há alguns dias a vacinação de seus profissionais de segurança, Sergipe silenciou.

Como cita a referida Nota Técnica,

“Segundo o Ministério da Justiça, desde o início da pandemia, as forças de segurança pública têm sido empregadas no cumprimento das medidas de controle sanitário, expedidas pelas esferas federal, estadual e municipal, no sentido de conter ações que contribuam para a disseminação da doença, dentre estas, a fiscalização de distanciamento social e de medidas restritivas e preventivas definidas pelos órgãos responsáveis.”

A intervenção do Ministério da Justiça foi fundamental para a revisão do Plano Nacional de Imunização e inclusão dos profissionais de segurança na priorização das vacinas. Força e Honra!

Agora é acompanhar a divulgação de um calendário oficial que contemple a vacinação desses homens e mulheres que trabalham nos 75 municípios sergipanos.

Parabéns a todos os presidentes de Associações e Sindicatos da segurança pública. Vocês não abandonaram esta luta!

Esta vitória é de todos nós, mas sem a liderança de vocês, esta conquista não seria possível.

Henrique Alves da Rocha, Coronel da Reserva da PM Sergipe.