Aracaju, 3 de agosto de 2021

MPS, JUSTIÇA DO TRABALHO E UFS DESTINAM MÁSCARAS DE OXIGÊNIO A HOSPITAIS EM SE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Os Ministérios Públicos do Trabalho, Federal e do Estado de Sergipe e a Justiça do Trabalho destinaram recursos para aquisição de 80 máscaras de oxigênio desenvolvidas por pesquisadores da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Os equipamentos começaram a ser distribuídos na última quinta-feira, 08, para hospitais da rede pública do estado. Até o momento o Huse, a Unidade de Pronto Atendimento Fernando Franco e o Hospital São José receberam os equipamentos. A previsão é que até o final do mês de abril outros hospitais recebam os equipamentos.

As máscaras são utilizadas para auxiliar no tratamento de pacientes com quadro leve ou moderado de falta de ar. A insuficiência respiratória é considerada um dos principais sintomas apresentados por pessoas com Covid-19 que precisam ficar internadas.

Segundo o doutor em Automação e Sistemas pela UFSC e professor do Departamento de Engenharia Elétrica da UFS, José Carvalho, os pesquisadores buscaram desenvolver um sistema que fosse seguro, barato, de fácil produção e que não dependesse de itens importados para que pudessem suprir a demanda enorme que surgiu com a pandemia sobretudo para a rede pública, que historicamente tem mais dificuldades.

O equipamento que auxilia no tratamento da Covid é montado em cinco minutos. Todas as peças utilizadas são adquiridas de fornecedores nacionais, uma delas, inclusive, o suporte para fixação da máscara foi produzido pelo Laboratório DiNOVE do IFS-SE. Os principais objetivos do equipamento são evitar que o paciente evolua para intubação e evitar a contaminação do ambiente.

“A ventilação não invasiva já é algo que era bastante utilizada. Contudo, no contexto da Covid-19, alguns aspectos acabavam dificultando (ou mesmo proibindo) seu uso: o preço bastante elevado e o sistema que jogava todo o ar contaminado no ambiente. A máscara produzida por pesquisadores da UFS veio suprindo várias necessidades, não depende do uso de ventilador, é de fácil higienização e baixo custo. Além disso, o ar chega diretamente dentro da máscara onde é feita a renovação do ar e todo o ar exalado é canalizado pelo filtro e jogado para o ambiente após a filtragem. Devido a essas características, a Spirandi possui diferentes aplicações dentro do contexto de tratamento de paciente com Covid”, explica o professor José Carvalho.

Com a destinação os MPs esperam minorar os efeitos da pandemia no Estado de Sergipe, com a diminuição do número de óbitos. Os recursos são decorrentes da atuação do Ministério Público do Trabalho perante à Justiça do Trabalho.

Por Ana Alves

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

UFS registra média anual de quase 19 pedidos de patentes desde 2011
PL inclui surdo unilateral nas cotas para deficientes em concursos públicos
Eduardo participa de solenidade para cidade mais sustentável
“O PSB se organiza para ser mais uma vez protagonista”, afirma Valadares Filho