02/05/21 - 08:49:03

CRIANÇAS TAMBÉM SENTEM EFEITOS DA PANDEMIA, ALERTAM ESPECIALISTAS

O distanciamento social, a quebra da rotina e a dinâmica em tempos de pandemia têm levado a parcela mais jovem da população, sobretudo crianças e adolescentes, a ter reações diversas e especialistas alertam para os cuidados necessários para minimizar as perdas, principalmente no processo de aprendizado e desenvolvimento.

Neste sentido, o Serviço de Apoio Psicológico, ferramenta de auxílio remoto disponibilizada pela Prefeitura de Aracaju, por intermédio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), tem sido uma espécie de termômetro para chegar às principais queixas emocionais e psicológicas vivenciadas nesse período desafiador. Na rotina de ligações, é frequente a procura de pais que pedem algum tipo de orientação de como lidar com os filhos.

“O Serviço de Apoio Psicológico presta um auxílio pontual, mas ocorre que os pais procuram para ter essa orientação. Em alguns casos, mesmo antes da pandemia, os pais já enfrentavam algum tipo de problema com os filhos e, com a crise sanitária, só veio a se acentuar. Quando percebemos que a situação relatada exige um acompanhamento mais extenso, orientamos que procurem outros serviços psicológicos disponibilizados na rede municipal”, explica a psicóloga do serviço, Camila Gonçalves.

Ainda assim, ressalta a profissional, fica o alerta para que os pais e responsáveis observem o comportamento das crianças e adolescentes porque, em sua maioria, eles não conseguem, ainda, expressar por meio de palavras o que estão sentindo, “ou seja, é por meio das suas ações e reações, da comunicação não verbal, que é possível perceber se precisam de um cuidado mais atento e que, até mesmo, demande o acompanhamento de um profissional”, pontua a psicóloga.

Alterações de humor, dificuldade em se concentrar em alguma atividade, perda de apetite ou compulsão alimentar, alteração no sono, ansiedade são alguns dos sinais que os pais e responsáveis precisam ficar atentos.

As privações decorrentes da pandemia, sobretudo do convívio social, para um adulto que, teoricamente tem mais recursos psicológicos para lidar já é difícil, para uma criança que ainda está calibrando o olhar para as complexidades do mundo à sua volta isso se torna ainda desafiador.

Para a psicopedagoga, psicanalista e consultora do Departamento de Educação Básica (DEB) da Secretaria Municipal da Educação (Semed), Cássia Virgínia, a principal diferença se dá, justamente, pela quebra de rotina, sobretudo do ponto de vista pedagógico, “porque a escola tem uma rotina pautada no próprio planejamento de ensino que organiza as crianças, elas vão se dando conta de que há uma hora para fazer cada atividade”, diz.

“Então, essa quebra de rotina gera a ansiedade e elas não sabem o que esperar do próximo dia, do próximo momento. É algo humano. O tempo é algo que nos rege. Do ponto de vista kantiano há dois grandes organizadores que nós, humanos, utilizamos para nos situar dentro da realidade: o tempo e o espaço. E as crianças tiveram uma quebra nesses dois pontos. No tempo, por conta da quebra de rotina, e no espaço porque só interage num mesmo espaço e a criança precisa ter alterações espaciais porque o espaço dá a elas a noção de diferenciação, ou seja, ela passa a entender que fora de casa, na escola, é hora de estudar, por exemplo”, aponta.

A pedagoga destaca que, no atual cenário, as perdas no desenvolvimento e no aprendizado vão existir, inevitavelmente. Porém, para ela, essas perdas podem ser superadas, futuramente.

“Do meu ponto de vista, as crianças precisam ficar em casa e essas perdas podem ser reparadas depois e a perda de uma vida não pode ser reparada. Considerando essa recuperação adiante, podemos minimizar. Uma das ferramentas é levar o lúdico, estimulá-lo porque a brincadeira é para a criança o que o trabalho é para o adulto a nível estimulante. É na brincadeira que a criança descarrega a ansiedade. Em contrapartida, outras coisas precisam ser mantidas minimamente, como o horário de acordar, de comer, de dormir porque se essa rotina se desconstrói, a criança fica totalmente desestruturada e começa a ter outros problemas, que não só a ansiedade”, alerta Cássia.

Conforme Camila Gonçalves, os pais precisam observar o nível de alguns comportamentos para compreender que tipo de orientação deve procurar, se uma pontual, como a do Serviço de Apoio Psicológico, ou se algo mais constante, como o acompanhamento de psicólogo por meio de terapia, por exemplo.

“Se a agressividade, a perda de sono, o transtorno alimentar, a dificuldade de concentração ou da execução de tarefas for algo muito acentuado é preciso se alertar. Às vezes, a criança tem um comportamento, mas não é constante e intenso e, portanto, não chega a demandar um acompanhamento psicológico. Outras vezes, no entanto, existe a intensidade, a frequência do comportamento, e perceber a diferença do que ocorria antes da pandemia para o que ocorre agora. É preciso entender que para a criança é muito delicado porque em um ano ela vive muitas mudanças no desenvolvimento dela, portanto, é necessário que haja toda a atenção para que se possa cuidar dela da maneira mais eficaz e acolhedora, sobretudo”, completa a psicóloga.

Foto: Marcelle Cristinne

Fonte: AAN