28/05/21 - 07:27:54

TRABALHADORES DAS EMPRESAS PARAÍSO, TROPICAL E PROGRESSO CRUZAM BRAÇOS

Revoltados com atrasos salariais, trabalhadores paralisam atividades em três empresas de ônibus da Grande, o que significa um terço da frota.

Parte dos trabalhadores das empresas de ônibus Progresso, Paraíso e Tropical cruzaram os braços no inicio da madrugada desta sexta-feira (28),  na porta das sedes das três concessionárias.

Eles alegam que estão há mais de cinco anos sem receber os encargos trabalhistas, além de reivindicar o pagamento dos salários em dia  e não com parcelamentos que chegam a três vezes, como vem ocorrendo.

Ainda segundo os trabalhadores, o FGTS é descontado mas não está sendo depositado, como determina a legislação.

Por conta da paralisação, nenhum ônibus das três empresas saiu da garagem. “Todos os dias, nós vamos para as ruas dirigindo os ônibus visando levar dinheiro para nossos patrões, mas eles nos tratam dessa forma”, se queixou.

Eles alegam que a paralisação é no sentido de pressionar as empresas a regularizar a situação salarial dos motoristas, cobradores e empregados dos setores administrativos.

Nota Setransp

O Setransp informa que o sistema de transporte público coletivo está operando com dificuldade na manhã desta sexta-feira, 28, devido à paralisação na operação das empresas do Grupo Progresso, realizada pelos respectivos funcionários. A empresa está buscando alternativa para solução e regularização da prestação do serviço.

A situação vivida pelo Grupo Progresso não é diferente das demais empresas do setor de transporte. Em Aracaju e na região metropolitana, hoje o sistema de transporte está operando com 100% da frota operacional, mas com uma demanda de passageiros de menos de 58% dos que circulavam antes da pandemia.

Esse impacto na queda de receita e sem qualquer apoio financeiro ao serviço de transporte que é essencial, já vinha sendo alertado pelo setor há bastante tempo, inclusive pontuando que a pandemia agravou dificuldades para o pagamento dos salários dos colaboradores e do combustível, que são os dois maiores insumos no custo do serviço.

O Setransp reforça que nenhuma empresa tem a intenção de passar por uma situação como essa, mas não existe sistema de transporte no mundo que se mantenha em pé diante de uma disparidade economia deste tamanho em relação à receita versos despesas.

As demais empresas operadoras do transporte estão tentando dar suporte à operação do serviço diante desta paralisação, para não deixar a população desassistida, porém com muitas limitações.

Foto redes sociais