03/06/21 - 23:05:02

Não há leitos de UTI nos hospitais para atender a infectados pela Covid-19 e medidas mais duras podem ser adotadas

Por Diógenes Brayner

Apesar da queda no número de mortes em Sergipe, há uma preocupação grande com as ocupações de leitos de UTI, principalmente em Aracaju, que já chegou próximo aos cem por cento, nos hospitais públicos e privados. Segundo informação de um médico, na noite desta quinta-feira (03), já há fila de até dez pacientes em estado complicado da doença, para ocupar leitos, com dificuldade de desocupação.

Na rede privada o cenário é o mesmo, com crescimento diário de pessoas que adquirirem a doença e que precisam de leitos. Um dos médicos da direção de um hospital particular em Aracaju disse que “todo dia é uma agonia, com a chegada de afetados pela Covid, que não tem condições de interná-los”.

Variantes e jovens – Explicou que há variantes do vírus em Sergipe que vêm provocando um grande número de afetados, principalmente de idade entre 35 e 50 anos, que é preocupante. Segundo ele, os idosos estão se contaminando em menor proporção, em razão da vacina e porque a “maioria segue as orientações sanitárias”, acrescentando que os “jovens são mais relaxados em relação à doença e passaram a ser infectados em excesso, o que é muito preocupante”.

Quanto a problema da ocupação total de leitos de UTI o médico deu uma explicação que pareceu macabra, mas era real: “os idosos ocupavam esses leitos com maior brevidade porque vinham a óbito mas rápido. Os jovens são resistentes e demoram muito a esvaziar a UTI, o que provoca a difícil reocupação, porque são resistentes e mais adaptáveis aos procedimentos para tratamento”, disse e concluiu: “a situação se agrava em Sergipe com referência à ocupações.

Novas medidas – Um dos membros do Comitê Científico, que faz avaliações do quadro a cada 14 dias, “o momento preocupa” e admitiu que parte dos adultos não atende com rigor as orientações sanitárias, se aglomera, não usa mascaras e passam a impressão que não teme a contaminação ou não acredita.

Passou uma informação que desagrada a uma maioria: “o Comitê vai se reunir na quinta-feira (17) – pode ocorrer antecipação – e se a situação de exaustão nos leitos de UTI e até nas enfermarias não melhorar, medidas mais duras podem ser adotadas em relação ao toque de recolher para fechamento de setores não essenciais”. Essa possibilidade foi levantada também por um dos médicos ouvidos pelo Faxaju Online, embora não haja ainda nenhuma certeza sobre isso.

O integrante do Comitê Científico disse que foi acertada a medida de suspender os festejos juninos e, principalmente, proibir o uso de fogueiras e fogos durante o período em que se comemora datas como Santo Antônio, São João e São Pedro. É que a fumaça provoca dificuldade de respiração e podem comprometer os pulmões.