Aracaju, 2 de agosto de 2021

SENADOR ALESSANDRO VIEIRA LEVA COLEGA AO CONSELHO DE ÉTICA DO SENADO 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O senador Alessandro Vieira, líder do Cidadania (SE) informou nesta terça (8) durante sessão da CPI da Covid que entrou com uma representação por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética do Senado contra o senador Luiz Carlos Heinze (PP-RS) que, segundo ele, por “estar prestando um desserviço ao repetidamente trazer informações falsas”. “A CPI e o Senado não podem se prestar a isso”, declarou Vieira. Ao ouvir a fala do colega sergipano, Heinze respondeu: “As minhas informações não são falsas, pode entrar com representação, sem problema nenhum”.

Na representação, o senador Alessandro Vieira informa que seu colega Luis Carlos Heinze “tem utilizado de forma indevida” seu espaço na CPI, “para divulgar informações falsas, manipulando dados e fatos a fim de defender suas crenças ideológicas”. Ainda segundo o texto, “o processo de desinformação desencadeado” por Heinze “tem implicações nefastas diante da grande repercussão da CPI no país”. O requerimento aponta entre as falácias de Heinze:

– Divulgação de supostos estudos científicos recomendando o tratamento precoce contra a Covid-19, incluindo o uso de fármacos reconhecidamente ineficazes, como hidroxicloroquina e ivermectina.

– Exposição de estudos desatualizados, incompletos e metodologicamente contraditórios fazendo crer que existe qualquer evidência científica favorável ao uso da cloroquina e outros tratamentos precoces “a respeito dos quais levianamente advoga a favor”. O senador Alessandro cita as sessões em que isso foi feito.

– Referências ao estudo do infectologista David Boulware, da Universidade do Minnesota, nos EUA, como se houvesse resultados positivos. “Cabe colacionar os estudos do pesquisador em que não foram demonstrados quaisquer efeitos do medicamento contra a doença.”

– Mencionou protocolos internacionais sobre uso da cloroquina e hidroxicloroquina ao redor do mundo, ignorando que países como França e Itália também proíbem o uso do medicamento e a Bélgica alerta contra a droga. O protocolo é utilizado em poucos países e sem pesquisas sistemáticas para o aferimento do seu impacto.

“O desserviço prestado pelo senador durante suas falas, aproveitando-se da prerrogativa de sua posição política para disseminar desinformação, tem o potencial de aumentar a crise de saúde pública no país”, insiste a representação, que sequer possui formação médica. “Mesmo diante de tantas e reiteradas advertências, o senador Heinze tem continuado a ser o porta-voz de gravíssimas desinformações”, diz o documento. “As intervenções do senador Heinze na Comissão não foram realizadas para emissão de meras opiniões políticas, mas sim para fazer circular nocivas e reiteradas desinformações, colocando em risco a saúde da população brasileira”, emenda.

Heinze, que integra a tropa de choque do governo federal, que tem minoria na comissão, assumiu temporariamente a vaga de titular no lugar de Ciro Nogueira (PP-PI), que ficará fora do País nesta semana. O senador do Rio Grande do Sul tem participado ativamente das sessões da CPI e defendido o governo federal com protocolos questionados por especialistas. Heinze frequentemente usa dados sem comprovação científica e dados distorcidos. Assim como a atuação na CPI, a carreira política de Heinze é marcada por polêmicas, sendo a principal delas o inquérito a que respondeu sob a racismo e homofobia no STF (Supremo Tribunal Federal). Embora garanta não haver relação com sua atuação na CPI, Heinze é tido como pré-candidato ao governo do Rio Grande do Sul.

Da Assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Unigel inaugura oficialmente fábrica no município de Laranjeiras
Escolas entram em recesso e retornam dia 17  presencialmente
Mais de 360 usuários buscam atendimento no Huse final de semana
PSS: Secretaria de Estado da Saúde divulga resultado da prova prática do Samu