Aracaju, 27 de julho de 2021

Maternidade N.Sra. de Lourdes realiza cerca de 50 partos em adolescentes por mês

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Os dados da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (MNSL), demonstram que de janeiro a dezembro de 2020, dos 5.074 partos realizados, 710 foram em adolescentes, significando uma média de 59 partos ao mês. Já nos cinco meses de 2021, a instituição registrou 2.159 partos. Destes, 267 em adolescentes, gerando uma média de 53 partos no período. É o que aponta o relatório gerencial da Unidade.

“A gravidez na adolescência raramente é planejada e consequentemente provoca mudanças na vida da jovem que está gestante”, explicou a psicóloga da MNSL, Andresa Azevedo. Ela deixou claro que uma das formas de evitar gravidez na adolescência é se informar adequadamente. Ela observou que os parceiros devem estar abertos sobre os métodos contraceptivos.

“O preservativo é o mais comum, mais barato e mais fácil de utilizar. Além da gravidez indesejada, também protege contra as doenças sexualmente transmissíveis”, pontuou Andresa. A psicóloga lembra que as dificuldades encontradas por elas, são diferentes, dependendo do contexto que as mesmas estejam inseridas, e o apoio da família é de suma importância para que essas adolescentes não se sintam abandonadas e desenvolvam problemas psíquicos.

Cedo demais

Lisiane Gomes Barreto, 17 anos, descobriu que estava grávida de Ícaro Arthur, quando a menstruação atrasou e ela não havia planejado. Quando percebeu já estava com três meses e fez um exame de sangue (BHCG). Testou positivo. O seu companheiro Arthur, também adolescente, com 16 anos, também teve medo, mas decidiram revelar para a família. Lisiane, chegou na Maternidade Nossa Senhora de Lourdes quando já estava com 41 semanas passou no posto do Porto Dantas, onde estava fazendo o pré-natal.

A paciente estava sem dores, porém com 41 semanas, o médico encaminhou para um obstetra que indicou para a gestante ser atendida na MNSL. Chegando na instituição fez um ultrassom e foi indicada para uma cesariana, já que o bebê pesava 4kg, Durante a gravidez, Lisiane teve diabetes gestacional. “Tive alta, no dia seguinte. Na MNSL fomos bem cuidados. Aprendi na sala de manejo a fazer a ordenha. Meu bebê só mama, gostei muito da instituição, da equipe multidisciplinar, pretendo fazer um curso de enfermagem e os profissionais da maternidade fortaleceram essa vontade. Não vou deixar de estudar, minha família e a de Arthur estão unidas para ajudar nesse momento”, concluiu Lisiane.

Ascom/SES

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

SES registra 282 casos de Covid-19  e mais três óbitos nesta segunda-feira
Edital de Convocação de Assembleia de Fundação de Associação
Futura acomodação
Hospital Primavera comemora 1.500 altas de pacientes com Covid-19