Aracaju, 3 de agosto de 2021

Senadora  demonstra preocupação com possível desligamento de supercomputador do Inpe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Equipamento, que monitora e prevê secas, pode ser desligado até agosto, em virtude de cortes no orçamento

Aproveitando o Dia Mundial do Combate à Desertificação e à Seca, a senadora Maria do Carmo (DEM-SE) revelou preocupação com o possível desligamento de Tupã, o supercomputador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que monitora e envia dados ao Governo sobre secas e estiagens no país. “É algo que não podemos deixar que aconteça. A atividade desse supercomputador nos auxilia na compreensão da gravidade do problema com a seca, assim como na implementação e planejamento de Políticas Públicas para ajudar aos mais afetados”, disse.

A parlamentar citou dados do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais, de abril deste ano, e ressaltou que 347 municípios do país estão passando por Seca Extrema e um por Seca Excepcional. “É algo que está afetando os Estados de Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. E a seca não atinge somente a agricultura ou o sustento de família. Ela pode provocar crises hídricas, que, por sua vez, podem comprometer o abastecimento de energia em todo o país ou aumentar, ainda, mais a conta de luz”, explicou.

Para Maria do Carmo, “é, justamente, por conta disso que não podemos perder um dia sequer de funcionamento desse equipamento. Se isso ocorrer, não saberemos a dimensão desse problema e nem saber como contornar o problema de forma efetiva”. Por isso, acrescentou a senadora, faz-se necessário liberar mais recursos do orçamento previsto para o Instituto, bem como ver a possibilidade de destinar mais investimento para o monitoramento.

Neste ano, o Governo Federal previu o orçamento de R$ 76 milhões para o Inpe, que é o menor da história do Instituto. Até então, porém, somente R$ 44,7 milhões foram liberados. Estima-se que por ano o supercomputador Tupã faça o consumo de R$ 5 milhões. “É um custo alto, porém, necessário. Sem falar que destinar mais verba ao Inpe significa fomentar a Ciência no nosso país, algo de extrema necessidade. Volto a repetir que financiar a Ciência significa investir no nosso futuro como Nação”, afirmou Maria.

Fonte e foto assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Governador assina decretos para atrair novas empresas ligadas ao setor de gás
PMA convoca candidatos para procedimento de heteroidentificação
Trabalhadores nascidos em fevereiro podem sacar auxílio emergencial
Inscrições para o Sistema de Seleção Unificada, Sisu, começam hoje