Aracaju, 31 de julho de 2021

PERÍCIA ALERTA PARA RISCO DE MORTE NO CONSUMO DE BEBIDAS ADULTERADAS

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O metanol é o principal composto presente nas bebidas adulteradas. Por isso, nesta época que remete às festas juninas, o Instituto de Pesquisas e Análises Forenses (IAPF) alerta para o cuidado com as bebidas alcoólicas, para que não haja a ingestão daquelas que possam estar adulteradas. O consumo do metanol pode causar efeitos nocivos como a intoxicação pelo composto químico. O álcool metílico, hidrato de metila ou, simplesmente metanol, é um tipo de álcool altamente inflamável, com características de solvente, que possui propriedades similares às do etanol. Entretanto, sua toxicidade é muito maior.

Em casos de pirataria, por ser mais barato que o etanol, algumas pessoas mal intencionadas adicionam o metanol ao álcool etílico, comumente ingerido em bebidas como a cachaça. O IAPF recebeu algumas amostras de bebidas para serem analisadas e, graças à aquisição de novos equipamentos, essa análise pode ser realizada em Sergipe, não tendo mais a necessidade de envio do material para laboratórios de outros estados.

Com os novos equipamentos, a exemplo do Espectrómetro – FTIR – , que é capaz de identificar os componentes das substâncias como bebidas, dentre outros, o IAPF analisa substâncias químicas contidas em bebidas alcoólicas falsificadas. Com o uso do equipamento, os peritos da instituição também identificam e analisam esses produtos, muitas vezes vendidos como originais.

Por isso, o IAPF, ao identificar a adulteração, notifica as autoridades através do laudo pericial e também faz o alerta à sociedade sobre os riscos dos componentes químicos identificados nas bebidas adulteradas. O perito criminal Nailson Correia alertou que, numa das perícias realizadas pelo Instituto de Pesquisas e Análises Forenses, os peritos detectaram alta concentração de metanol e com teor alcoólico acima do permitido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“O Laboratório de Química do IAPF vem recebendo novos equipamentos para elucidação destes e outros tipos de crimes que envolvem componentes químicos. Uma perícia feita esta semana preocupou e muito os peritos deste laboratório devido a alta concentração de metanol encontrado numa bebida com o teor alcoólico acima do permitido pela Anvisa. O metanol, que é um álcool tóxico, pode causar falta de ar, convulsões, cegueira e outros problemas de saúde”, enfatizou.

Nesse sentido, o perito criminal Nailson Correia concluiu enfatizando sobre a necessidade de verificar a procedência do produto de modo a garantir a saúde. “Os líquidos falsificados representam, acima de tudo, um risco à saúde. O máximo de metanol permitido nos destilados pela legislação brasileira é 0,25ml/100 ml de álcool anidro, limite que geralmente é desrespeitado nas bebidas”, pontuou informando.

Fonte e foto SSP

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Belivaldo assina Ordem de Serviço da  etapa 2ª do Canal Remanso
Quinto dia de greve conta com caminhada e apitaço em Maruim
Belivaldo elogia trabalho de André e diz que Edvaldo foi feliz na parceria 
Motoristas de carro fumacê são capacitados pela Funesa