Aracaju, 3 de agosto de 2021

ANVISA NEGA AUTORIZAÇÃO DE USO EMERGENCIAL DO AVIFAVIR PRA COVID-19

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Segundo decisão unânime, remédio não atendeu às expectativa da agência

Por Agência Brasil*

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) negou nesta terça-feira (22) o pedido de autorização temporária para uso emergencial do medicamento Avifavir (Favipiravir) no tratamento antiviral de pacientes hospitalizados com covid-19. A decisão unânime foi tomada durante a 12ª reunião pública da Diretoria Colegiada (Dicol), nesta terça-feira.

Segundo a relatora, a diretora da agência Meiruze Freitas, o remédio não atende às expectativas da agência quanto aos requisitos mínimos de segurança e eficácia no contexto do uso emergencial.

“A Anvisa deve usar de todas as vias possíveis para fazer com que novos tratamentos estejam disponíveis para os pacientes o mais rápido possível. Entretanto, não se pode autorizar o uso de um medicamento que não demonstrou benefício clínico no tratamento da covid-19 e ainda pode resultar em riscos à saúde dos pacientes”, afirmou Freitas.

A solicitação de autorização de uso emergencial do Avifavir foi feita pelo Instituto Vital Brazil, representante no Brasil do medicamento, fabricado pelas empresas russas API – Technologies LLC e Joint Stock Company Chemical Diversity Research Institute.

Em nota, a Anvisa justificou a decisão afirmando que o medicamento é produzido com matéria-prima ainda não registrada pela agência e que nenhuma outra autoridade regulatória de outros países aprovou o Avifavir para o tratamento da covid-19. Além disso, as áreas técnicas concluíram que as limitações, incertezas e riscos da aprovação do uso emergencial do medicamento superariam os benefícios no eventual tratamento de pacientes.

Instituto Vital Brazil

Em nota enviada na noite desta terça-feira, o Instituto Vital Brazil disse que “em reuniões técnicas entre o Instituto Vital Brazil, a fabricante russa Chromis, a parceira nacional Belcher e a Anvisa, os técnicos do Instituto visualizaram processos que necessitavam ser equalizados para que houvesse uma harmonização dos parâmetros sanitários elencados pelo Brasil e pela Rússia, o que gerou uma alta complexidade na avaliação do pedido de Autorização para Uso Emergencial (AUE) do Avifavir.”

Segundo a nota, após a deliberação que nega o pedido da AUE do Avifavir ao instituto, “compartilhamos os relatórios técnicos da Anvisa com a empresa parceira fabricante Chromis, que já está avaliando os pontos apresentados como insatisfatórios e providenciando as respostas técnicas necessárias que possam vir a sanar os questionamentos da Anvisa.”

*Com informações da Ascom/Anvisa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Sindcom e Fecomércio debatem sobre prodeter em Tobias Barreto
UFS registra média anual de quase 19 pedidos de patentes desde 2011
PL inclui surdo unilateral nas cotas para deficientes em concursos públicos
Eduardo participa de solenidade para cidade mais sustentável