Aracaju, 22 de outubro de 2021

Banese acelera transformação digital com migração dos sistemas para tecnologia em nuvem

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Com a iniciativa, banco se prepara para melhorar e ampliar os serviços ofertados em busca de crescimento e novos mercados

O Banese iniciou a migração da infraestrutura tecnológica da instituição para o ambiente de computação em nuvem. A adoção da nova tecnologia traz uma série de benefícios para o banco, clientes e acionistas, ao garantir mais flexibilidade, otimização, estabilidade e segurança do sistema bancário, além de possibilitar a melhoria, ampliação e redução dos custos dos serviços ofertados.

Com a medida, as novas soluções tecnológicas do Banese nascerão nativamente no ambiente de nuvem e, ao longo dos próximos cinco anos, os sistemas operacionais, canais de atendimento e serviços de tecnologia serão migrados para a nova infraestrutura.

“O Banese, diante da execução do seu plano estratégico, vem investindo muito em tecnologia, pessoas e processos com o objetivo de oferecer os melhores produtos e serviços à população e, em especial, aos nossos clientes, buscando fortalecer cada vez mais a nossa instituição”, destaca o presidente do Banese, Helom Oliveira.

De acordo com o diretor de Gestão Estratégica e Tecnologia do Banese, Luciano Passos, a iniciativa demostra a constante preocupação do banco com a evolução tecnológica, e em sempre se colocar na vanguarda do sistema bancário para atender as necessidades dos clientes e do mercado, e expandir os negócios.

“Com isso, o banco deve reduzir os gastos com a compra de hardware e software, bem como os custos com manutenção; tornar o sistema bancário mais protegido contra ameaças; ganhar escalabilidade, possibilitando o crescimento sustentável de acordo com o aumento dos negócios e assegurando que a estrutura da instituição esteja sempre competitiva”, avalia o diretor.

PREPARADO PARA O FUTURO

A migração dos sistemas do Banese para a plataforma em nuvem garante que o banco esteja preparado para enfrentar os desafios atuais, e assegura os seguintes avanços:

Mais rapidez e flexibilidade ao possibilitar a ampliação e a redução rápidas do uso de recursos tecnológicos, de acordo com a necessidade de cada momento e contexto;

Melhor disponibilidade e estabilidade do ambiente de negócios, pois, reduz o risco de parada dos sistemas e garante mais qualidade nos serviços ofertados aos clientes;

Mais segurança e privacidade, uma vez que este tipo de ambiente cumpre um amplo número de normas internacionais e específicas da indústria, para garantir um ambiente altamente protegido;

Otimização dos investimentos em Tecnologia da Informação com a redução dos principais gastos como máquinas, programas, implementação e manutenção das centrais de dados (datacenters).

PARCERIA

Para realização do projeto o Banese firmou parceria com a Microsoft, e utilizará a plataforma de nuvem Azure, que está entre as melhores e mais utilizadas do mundo. A solução foi criada para acelerar a transformação digital e melhorar a experiência de serviços para os clientes, além de contar com mais de 200 produtos e serviços projetados para ajudar empresas a resolverem os desafios tecnológicos atuais e pensarem o futuro.

A Microsoft Azure foi contratada por meio de licitação, e a vencedora do certamente foi a empresa Lanlink, que será a provedora da parceira com a Microsoft no projeto. Segundo o diretor da Lanlink, Alexandre Albuquerque, centenas de grandes empresas no Brasil e no mundo têm relatado avanços importantes nos processos a partir da utilização da plataforma.

Entre as empresas nacionais que utilizam a Azure estão, de acordo com Alexandre Albuquerque, a B3, Porto Seguro, Rodobens, Braspag, Centrais Elétricas do Norte do Brasil (Eletronorte), Companhia Siderúrgica Nacional, Riachuelo, Suzano e Vivo.

Fonte e foto assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Morre no Hospital São Lucas, o médico Jean Santana, após infarto em academia de Lagarto
Caso Lorrany: homem de 42 anos matou, escondeu o corpo e “ajudou” a família procurar a criança que estava desaparecida
Movimento Polícia Unida só discute outra pauta depois da aprovação da Periculosidade
Relatório final da Comissão da Verdade é apresentado na Assembleia Legislativa