Aracaju, 3 de agosto de 2021

MPF: Justiça condena Empresa Torre por degradação de área

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Após ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF), a Justiça Federal em Sergipe determinou que a empresa Torre Empreendimentos Rural e Construção suspenda toda atividade relativa à instalação do Polo de Gerenciamento de Resíduos – Itacanema e proibiu a execução de qualquer operação de depósito de resíduos no local. Com a sentença, União e Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) ficam proibidas de conceder qualquer autorização ou licença à implantação do empreendimento.

A Justiça Federal também condenou a Torre a promover a recuperação da área degradada, de modo a restituir as funções ambientais do local afetado pelas intervenções indevidas e pelo depósito irregular de lixo. Por fim, a Justiça determinou que a empresa pague R$ 1 milhão como indenização por danos morais coletivos. Os valores devem ser revertidos ao Fundo de Direitos Difusos.

Entenda o caso – Desde o ano 2000, a empresa Torre busca a construção do aterro sanitário no município de Nossa Senhora do Socorro, região metropolitana de Aracaju. Ao longo do tempo, órgãos como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) e o próprio MPF indicaram que a área escolhida é inapropriada para construção do Polo de Gerenciamento de Resíduos.

Entre os motivos citados, estão os perigos de contaminação de aquíferos subterrâneos e de atração de aves a um perímetro que gera riscos à aviação, pela proximidade com o Aeroporto Santa Maria. Além disso, moradores da região também começaram a reclamar, pois já estavam sentindo os efeitos da instalação do aterro, como mau odor, poeira e aumento da circulação de veículos.

Dessa forma, em 2014, o MPF ajuizou ação e pediu a suspensão do ofício 217/AGRA/5779, que autorizava a instalação do empreendimento, e das licenças que permitiam a instalação do Polo de Gerenciamento de Resíduos, bem como a interrupção dessas atividades, tendo em vista o perigo de dano ambiental irreparável ou de difícil reparação.

Em 2016, o Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) acolheu o pedido do MPF e mandou paralisar a instalação do empreendimento. No entanto, após a liminar, moradores denunciaram movimentações da empresa no terreno. Após diligências no local, ficou constatada a retomada das obras e o descumprimento da decisão judicial, o que ensejou novo pedido à Justiça de suspensão das atividades.

Íntegra da sentença proferida na ACP nº 0801527-95.2014.4.05.8500

Ministério Público Federal em Sergipe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

UFS registra média anual de quase 19 pedidos de patentes desde 2011
PL inclui surdo unilateral nas cotas para deficientes em concursos públicos
Eduardo participa de solenidade para cidade mais sustentável
“O PSB se organiza para ser mais uma vez protagonista”, afirma Valadares Filho