Aracaju, 31 de julho de 2021

APROVADO PROJETO DE ROGÉRIO QUE PERMITE REDUÇÃO DA DÍVIDA PÚBLICA EM ATÉ 25%

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta terça-feira (22), o projeto de autoria do senador Rogério Carvalho que autoriza o Banco Central (BC) a receber depósitos voluntários das instituições financeiras mediante remuneração.  A iniciativa do senador sergipano permitirá a redução da dívida pública do Brasil e abre espaço para mais investimentos.

“Agora, ao longo do tempo, o país conseguirá reduzir a dívida pública em até 25%, abrindo mais possibilidades de investimentos futuros para o povo brasileiro. Isso significa mais empregos e um novo mecanismo para impulsionar a retomada do crescimento econômico”, explicou o senador Rogério.

O mecanismo proposto pelo senador petista é uma alternativa para o BC controlar a quantidade de moeda em circulação no sistema financeiro (liquidez bancária), que tem impacto sobre a inflação, sem afetar a dívida pública. Como a matéria já havia sido aprovada pelo Senado Federal, o texto será encaminhado para sanção presidencial.

ENTENDA

Os depósitos no Banco Central são uma forma de controlar a liquidez (disponibilidade de dinheiro) da economia e de preservar a estabilidade da moeda. Para conter a pressão inflacionária e sustentar a taxa de juros, o BC recolhe parte do dinheiro aplicado nos bancos pelos correntistas. Há duas modalidades de depósitos: à vista (provenientes de depósitos em dinheiro) e a prazo (provenientes de aplicações, como a poupança). Os depósitos a prazo são remunerados, ou seja, os bancos recebem uma compensação pela entrega do dinheiro.

Atualmente, o Banco Central trabalha com depósitos compulsórios (obrigatórios) nas duas modalidades, estabelecendo uma porcentagem obrigatória que os bancos devem entregar das suas aplicações, e com depósitos voluntários à vista (não remunerados). O projeto abre caminho para os depósitos voluntários a prazo, com a sua correspondente remuneração.

Operações compromissadas

A ideia do senador Rogério Carvalho é que essa diversificação possa reduzir o uso de outra ferramenta do Banco Central para controle da moeda: as operações compromissadas. Com essas operações, o BC enxuga liquidez da economia vendendo títulos de crédito ao sistema financeiro, com a promessa de comprá-los de volta em uma data futura, com juros. A operação também funciona no sentido inverso.

O problema das operações compromissadas, segundo o senador, é que, como o Banco Central não pode emitir títulos próprios, usa os do Tesouro Nacional. A emissão de títulos para esse fim entra na soma da dívida pública — mesmo que o governo não esteja, na prática, arrecadando nada. Assim, uma ferramenta de política monetária acaba tendo impacto fiscal.

Da assessoria, com informações da Agência Senado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Belivaldo assina Ordem de Serviço da  etapa 2ª do Canal Remanso
Quinto dia de greve conta com caminhada e apitaço em Maruim
Belivaldo elogia trabalho de André e diz que Edvaldo foi feliz na parceria 
Motoristas de carro fumacê são capacitados pela Funesa