Aracaju, 26 de outubro de 2021

Energisa orienta sobre externalização do padrão de ligação de energia

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Instalação correta previne acidentes e reduz custos

A instalação correta do padrão de entrada de ligação de energia na área externa do imóvel previne riscos de incêndios e permite a leitura eficiente do consumo de energia. A Energisa Sergipe orienta que instalação do padrão de entrada seja realizada seguindo todas as recomendações técnicas e de segurança.

O padrão de entrada é composto por um medidor de energia elétrica, um disjuntor e a caixa do padrão. O medidor tem a função de realizar a medição de consumo da residência em KWh (potência hora). Nos medidores que ficam na parte externa do imóvel é possível realizar leitura e entregar a fatura sem qualquer contato com o cliente, preservando ainda mais os aspectos de segurança nesse período de pandemia. Entretanto, nem sempre é possível fazer a medição real do consumo devido à falta de acesso ao medidor.

Quando isso ocorre, a Resolução 414/2020 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estabelece que seja realizado o faturamento por média, que não é vantajoso para os clientes, principalmente se o imóvel está fechado e sem consumo. Além disso, após o terceiro mês consecutivo de impedimento, a empresa é obrigada a cobrar apenas o custo de disponibilidade do sistema, a popular taxa mínima, podendo gerar um acúmulo de consumo pela falta do registro real da leitura.

“Para evitar contas de energia sem o consumo real, é necessário que os clientes modifiquem o padrão de instalação do medidor para a parte externa, pois independente de ter alguém no imóvel, será possível fazer o registro da leitura. No caso de condomínios, os síndicos devem orientar porteiros para permitir a entrada dos colaboradores da distribuidora, devidamente fardados e identificados com crachá”, explica o gerente do Departamento Comercial da Energisa Sergipe, Wellington Aranha.

Segurança

Ao colocar o padrão de medição externamente, é possível evitar situações de risco como incêndios, pois em caso de curto-circuito com o medidor dentro do domicílio, as chamas podem se alastrarem pelas instalações elétricas. Ter o medidor dentro do imóvel ainda expõe famílias a acidentes, especialmente as crianças que não entendem os perigos do contato inadequado com o medidor e os riscos de choque elétrico.

“Além da leitura correta da conta, ao colocar a medição externa, os clientes evitam o corte da energia pelo impedimento de acesso e possibilitam aos colaboradores que realizam inspeções periódicas, verificar as condições de segurança e se há alguma anomalia no equipamento de medição. Dessa forma, se o aparelho estiver com algum defeito, é prontamente substituído, garantindo assim a confiabilidade da medição e a proteção do imóvel”, afirma Wellington.

De acordo com a resolução 414 Aneel, em seu artigo 171, é dever do cliente e manter livre acesso às instalações da unidade consumidora aos empregados e representantes da distribuidora, para fins de inspeção e leitura, inclusive para realização de serviços de troca de equipamento de medição ou suspensão de fornecimento.

Mais informações

Para saber mais sobre o padrão de entrada, acesse a GISA no whatsApp número 79 8101 0715, escolha a opção 7 – Ligação Nova e clique no link do vídeo com as explicações.

Foto assessoria

Por Adriana Freitas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Mais de 140 crianças e adolescentes de SE foram mortos de forma violenta e intencional 
Aracaju anuncia nova antecipação da 2ª dose da vacina AstraZeneca nesta terça-feira
Kitty Lima denuncia ao MPE mortandade de peixes em barragem do Denocs em Glória
Ministro diz que privatização da Petrobras ampliaria investimentos