Aracaju, 3 de agosto de 2021

Reforma: “É uma ilusão achar que o projeto de reforma vai reduzir a carga  tributária”

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Desde quando começou a tramitar no Congresso Nacional, o Projeto de Lei nº. 3.887/2020 que pauta a Reforma Tributária brasileira vem sendo fruto de discussões e emendas ao seu texto original.

“A principal característica dessa reforma seria a simplificação da apuração fiscal em uma tributação única sobre a produção e o consumo, em substituição aos demais tributos incidentes sobre esse nicho como o PIS/PASEP, a COFINS, IPI, ISS e o ICMS, acreditando ser esse o ponto mais racional”, comenta o professor do curso de Direito da Universidade Tiradentes, Francisco Branco.

Para o especialista, o que se espera com a Reforma Tributária é a simplificação e modernização do sistema tributário brasileiro, gerando impactos positivos na produtividade e no crescimento econômico do país.

“É uma ilusão achar que o projeto de reforma vai reduzir a carga tributária do país. A meta é substituir o atual modelo, que é caro e complexo, por mecanismos modernos e mais eficazes de apuração fiscal”.

“Por exemplo, dentro do projeto existe a previsão da criação da Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços – CBS – com alíquota inicialmente previsível em 12% – constituindo uma nova forma de tributar o consumo, alinhada aos mais modernos modelos internacionais de Imposto de Valor Agregado (IVA). Essa técnica permite acabar com a cumulatividade de incidência tributária em cada operação de produção, que é uma condição nefasta para o consumidor de serviços e bens no Brasil, com cobrança de um único tributo apenas sobre o valor adicionado pela empresa”, expõe.

De acordo com Francisco Branco, a estrutura dará mais transparência e simplicidade à relação fisco x contribuinte, reduzindo o custo Brasil, crescimento da produtividade e do consumo, o que consequentemente vai gerar mais emprego e renda.

“Essa técnica de apuração fiscal já é há muito tempo utilizada em diversos países, como Uruguai, Chile, EUA, Canadá, Alemanha, França, Finlândia, Noruega, e tem se mostrado bastante eficiente quanto a desoneração fiscal, a simplificação do recolhimento por parte dos contribuintes, a diminuição da sonegação e a geração de emprego”.

Segundo o docente, um dos pontos mais complexos dessa reforma é justamente a forma como Estados e municípios vão ser incrementados sem que isso possa impactar drasticamente as obrigações constitucionais.

“No tocante ao Governo Federal, creio que a estrutura da reforma já esteja praticamente finalizada, apenas alguns pontos de aperfeiçoamento, como a criação do sistema de informatização, cadastro de contribuintes, forma simplificada de apuração, circunstância esta que não impediria a votação do projeto imediatamente, como se faz, por exemplo na reforma da previdência”, salienta.

“Todavia, o grande problema que o contribuinte enfrenta não é a tributação federal, mas dos Estados. Esse é o grande nó nessa reforma e responsável pelo encarecimento de toda a cadeia de produção e consumo no Brasil. Por isso, acredito que se o projeto não for votado em sua inteireza, atrelando os Estados e os municípios na reforma, os contribuintes vão perder uma grande oportunidade de modificação desse cenário caótico que é a tributação do Estado brasileiro”, acrescenta.

Francisco aponta entre os pontos destacados como essenciais e mais importantes dessa reforma estão a simplificação da apuração fiscal e a substituição de boa parte dos tributos que recaem sobre a produção e consumo no país por uma única obrigação tributária não cumulativa.

“Isso gera simplicidade e mais transparência na relação fisco x contribuinte e efetiva a proposta de simplificação e transparência da relação tributária e enseja o crescimento da produtividade e do consumo, o que consequentemente vai gerar mais emprego e renda”, finaliza.

Assessoria de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

“O PSB se organiza para ser mais uma vez protagonista”, afirma Valadares Filho
Ao visitar a Estre Ambiental, Sergas analisa a possibilidade de aproveitar  o Biogás
Operação Fio da Meada: PC cumpre mandado de busca e apreensão em Nossa Senhora das Dores 
Inscrições para cursos profissionalizantes de Secretaria Escolar