Aracaju, 18 de outubro de 2021

Envelhecimento da população contribui para oportunidades na área de Gerontologia

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, os cuidados com os idosos, grupo de risco da doença, se tornaram constantes. Uma verdadeira corrida contra o tempo para evitar a contaminação de pessoas com mais de 60 anos e uma atenção especial para este público.

“Em época de pandemia, é fundamental realizar de forma sistemática um plano de ação e cuidados para cada paciente idoso. É necessário conhecer o paciente em questão, ouvir sua história de vida e seus valores. O paciente precisa ser esclarecido em relação a seus próprios cuidados, entender suas comorbidades, as possibilidades de tratamento e seu prognóstico”, comenta a professora da Universidade Tiradentes, Patrícia Almeida.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, a população idosa no país já chega a mais de 20 milhões de pessoas. Com o avanço da expectativa de vida, esse número tende a crescer ainda mais nos próximos anos.

“A explosão demográfica geriátrica é uma realidade mundial e nacional. Somos um país de cabelos brancos e essa população requer cuidados específicos e muita atenção. Assim, é importante que o mercado de trabalho possua profissionais capacitados e especializados não só no processo biológico, mas também psicossocial”, salienta.

“Neste contexto, a gerontologia se torna uma área promissora no mercado de trabalho nacional. A principal função é o estudo do envelhecimento que abrange os aspectos biológicos, psicológicos, sociais, econômicos e outros. Os profissionais da Gerontologia têm formação diversificada, interagem entre si e com os geriatras”, acrescenta Patrícia.

Segundo a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia – SBGG, todo profissional com formação de nível superior nas diversas áreas do conhecimento como Psicologia, Fisioterapia, Serviço Social, Nutrição, Terapia Ocupacional, Direito, entre outras, pode atuar como gerontólogo, desde que esteja apto para lidar com questões do envelhecimento e da velhice.

“O gerontólogo possui diversas áreas para atuar no mercado de trabalho como   gestão de casos, políticas públicas, educação, reabilitação, reinserção na sociedade, segurança, home care, atividades corporais e comportamentais, hospitais, clínicas especializadas, centros e unidades”, destaca a professora da Unit.

“O objetivo maior da gerontologia é promover o bem-estar do idoso, abrangendo fatores não só físicos, mas também psíquicos, sociais e até mesmo espirituais. Além disso, se estende também aos familiares, de forma que o resultado do processo de envelhecimento seja ainda melhor, com a compreensão e a participação de todos os que estão ao redor da pessoa idosa”, finaliza.

Curso de Gerontologia e Bem-estar EaD

Com a duração de dois anos, o tecnólogo em Gerontologia e Bem-Estar é ministrado 100% online na Universidade Tiradentes. O curso aborda o processo de envelhecimento a partir de uma perspectiva holística e multidisciplinar, combinando conhecimentos de diferentes áreas.

A matriz curricular é composta por disciplinas de Ciências Biológicas, Humanas e Exatas. Matérias relacionadas com Gerontologia Educacional, Nutrição, Relações Familiares e Cuidados Paliativos estão presentes na estrutura da formação.

Fonte e foto assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Brasil registra 130 mortes por covid-19 e 5,7 mil casos em 24 horas
Aziz adia para quarta-feira a leitura do relatório da CPI
Trabalhadores nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial
Corpo do delegado Marcelo Hercos Lyrio será cremado em Alagoinhas (BA)