Aracaju, 18 de outubro de 2021

O estrago da Privatização da Eletrobrás para o Estado de Sergipe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Saiba quais parlamentares sergipanos votaram na Medida Provisória que vai tornar a conta de energia mais cara e que entrega o patrimônio público à iniciativa privada

Por: Iracema Corso

A maioria dos parlamentares do Congresso Nacional aprovou a privatização da Eletrobrás com voto favorável à Medida Provisória MP 1031. No dia 21 de junho, a privatização teve o voto dos deputados por Sergipe Valdevan Noventa (PL) e de Bosco Costa (PL). Na Câmara Federal o placar foi de 258 a 136. Na primeira votação na Câmara Federal, Gustinho Ribeiro (Solidariedade) se posicionou a favor da privatização.

Dias antes, em 17 de junho, o Senado havia aprovado a privatização da Eletrobrás por 42 votos a 37. Maria do Carmo (DEM) foi a única senadora de Sergipe que votou pela entrega do patrimônio nacional à iniciativa privada. Uma decisão política que vai tornar a conta de energia mais cara prejudicando a população de todo o Brasil.

A maioria dos parlamentares de Sergipe se posicionou contra a privatização da Eletrobrás: os senadores Rogério Carvalho (PT) e Alessandro Vieira (Cidadania), bem como os deputados federais João Daniel (PT), Fábio Henrique (PDT), Laércio Oliveira (PP) e Fábio Mitidieri (PSD).

Segundo Paullo Roberto Gomes, Diretor do Sinergia/SE (Sindicato dos Eletricitários de Sergipe) e funcionário da Chesf Jardim (Nossa Senhora do Socorro), o estrago da privatização da Eletrobrás será enorme para a população de Sergipe.

“Mais de 90% da água doce que temos em Sergipe vem do Rio São Francisco e as águas do Rio São Francisco vão ficar nas mãos de um dono. Prevemos prejuízo nos impostos, no turismo, nas compensações financeiras que vão afetar o Estado e Municípios. Isso sem falar na demissão de funcionários, que sempre acontece quando há privatização. A precarização dos serviços e o aumento das tarifas são os efeitos mais visíveis, mas o estrago é colossal”, afirmou Gomes.

“A região de Xingó é uma importante atração turística de Sergipe. É um local com beleza natural paradisíaca que movimenta bares, hotéis, pousadas e agências de turismo. Com uma empresa privada gerindo a Chesf não temos nenhuma garantia do que será da região Xingó”, acrescentou Paullo Gomes.

O dirigente sindical afirmou que atualmente a Chesf possui em Sergipe cerca de 80 trabalhadores diretos e 30 indiretos. Além disso, ele destaca a atuação da Chesf/Eletrobrás como imprescindível e fundamental para toda a região Nordeste. “Além das ações sociais da empresa, povoamento de peixes no rio, recuperação das matas ciliares – pois a Chesf tem uma sementeira com mudas nativas, a Chesf construiu e mantém uma estação de piscicultura para criar alevinos (peixes recém-nascidos), inclusive filhotes de pitu para repovoar o rio. É uma tragédia para o Rio São Francisco”, avaliou Paullo.

Não bastasse o impacto negativo para a natureza e a população, ainda há o prejuízo financeiro e à soberania nacional. Paullo Gomes e outros dirigentes sindicais destacam que a Eletrobrás vale R$ 420 bilhões, tem lucro líquido anual de R$ 6 bilhões e não pode ser vendida no valor estimado de R$ 60 bilhões.

“É um crime lesa pátria! E não é lucrativo. Sabemos que com a privatização a empresa deixará de comprar e contratar serviços no Nordeste, a exemplo do que aconteceu com a Energisa que compra tudo no Rio de Janeiro e em São Paulo. Economicamente só há desvantagens para o Brasil, para o Nordeste e principalmente para a população. É inaceitável”, afirmou o sindicalista.

No dia seguinte à aprovação no Congresso Nacional da MP que autoriza a privatização da Eletrobrás, trabalhadores protocolaram uma denúncia sobre a inconstitucionalidade da MP 1.031 no Tribunal de Contas da União.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Aracaju anuncia antecipação da vacina da Pfizer e ampliação dose de reforço a partir desta segunda
Homem morre após ser atropelado na BR-101 no município de Capala
Seduc inicia Simula Enem presencialmente a partir desta segunda
Dia do Médico: Novos desafios da categoria após a pandemia