Aracaju, 28 de julho de 2021

Covid: Infectologista é destaque em artigo sobre exame que pode ajudar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A médica infectologista cooperada Unimed Sergipe, Mariela Cometki, participou com mais outros seis pesquisadores brasileiros da publicação de estudo intitulado “Pontos de corte EMG para detecção de limiar anaeróbio e respiratório ponto de compensação em pacientes Covid-19 recuperados”, na publicação internacional Journal of Electromyography and Kinesiology.

O artigo foi resultado de um estudo feito com 66 pacientes recuperados da Covid-19. O objetivo do estudo foi investigar a validade do exame Eletromiografia de Superfície (EMG) como um método não invasivo que pudesse ajudar na prescrição de exercícios para pacientes que tiveram Covid-19.

“Eletromiografia de superfície é um exame que já é utilizado em outros países para fazer avaliação de potência muscular. E a gente trouxe num protocolo de avaliação do paciente Covid e fechou uma parceria com a Unimed para poder avaliar paciente com a Covid, sabendo que a doença fazia lesão muscular. Hoje a gente faz a eletromiografia de superfície e consegue saber se o paciente teve diminuição da potência do músculo ou alteração da utilização das fibras e junto com isso a gente faz uma avaliação do pulmão e do coração com teste cardiopulmonar, que é um outro artigo que também vai ser publicado, que validará tanto a utilização da ergoespirometria ou teste cardiopulmonar, associada a avaliação do músculo junto com a eletromiografia”, explica a médica especialista.

Segundo o estudo, que foi aprovado pelo comitê de ética em pesquisa local e foi registrado na Plataforma Brasileira de Registro de Ensaios Clínicos, individualizar a intensidade do exercício por meio da avaliação do teste de exercício fornece bons resultados fisiológicos. O grupo de pacientes que participaram do estudo foram encaminhados para avaliação do Laboratório de Fisiologia do Exercício da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) no período de 4 de julho a 14 de agosto.

“Essa é uma metodologia que não tem radiação como tomografia, ressonância, é uma metodologia de fácil acesso. O paciente durante uma atividade física consegue ter avaliação da função e potência do seu músculo. E o resultado que a gente encontrou foi que os pacientes que a gente avaliava a potência muscular conseguia direcionar um exercício especifico, dosar a quantidade de exercício que ele precisava para poder fazer uma reabilitação mais justa personalizada e, com isso, diminuir a quantidade de tempo que o paciente precisaria ficar no programa de reabilitação”, completa Mariela.

Assessoria de Imprensa

AGÔ – Comunicação Estratégica

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Prefeito de Aracaju recebe medalha do cinquentenário do TCE de Sergipe
Segundo dia de greve é marcado por ato na Saúde de Maruim
Maternidade promove simulado de evacuação em caso de incêndio com brigadistas
Banese faz parceria para alavancar turismo em Santana do São Francisco