Aracaju, 4 de agosto de 2021

PROMOTOR DE JUSTIÇA DESTACA REVISÃO DA LEI SOBRE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A revisão da Lei 8.429/1992, que trata da Improbidade Administrativa foi assunto destacado no programa Congresso Em Pauta, exibido pela TV Alese na manhã desta quinta-feira, 1º de julho. As alterações são propostas no Projeto de Lei 10887/18, apresentado na Câmara Federal pelo deputado Roberto de Lucena (PODE-SP), cujo relator é o deputado Carlos Zarattini (PT-SP), tendo o requerimento de urgência sido aprovado por 369 votos favoráveis e 30 contrários, seguindo para o Senado.

Entrevista na manhã desta quinta-feira, 1º

Essa lei dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento ilícito no exercício de mandato, cargo, emprego ou função na administração pública direta, indireta ou fundacional e dá outras providências.

Entre os principais pontos da proposta de revisão está a definição de que apenas as condutas dolosas (intencionais), serão punidas. O relator explicou que “as ações negligentes, imprudentes ou imperitas, ainda que causem danos materiais ao Estado, não podem ser enquadradas como atos de improbidade, pois lhes falta o elemento de desonestidade”.

De acordo com os texto, deverá haver um escalonamento das sanções; a previsão de legitimidade privativa do Ministério Público para a propositura da ação de improbidade;  a previsão de celebração de acordo de não persecução cível; e regras mais claras acerca da prescrição em matéria de improbidade.

No programa Congresso Em Pauta, a jornalista Clécia Carla Silva, entrevistou o promotor de justiça de Defesa do Patrimônio Público e Ordem Tributária de Aracaju, Newton Silveira Dias Júnior, sobre o assunto e exibiu um vídeo da Advocacia Geral da União, sobre o assunto, além do debate entre os deputados na Câmara Federal.

Na entrevista, o promotor afirmou que  o PL trata da improbidade, a desonestidade, a indignidade relacionada à gestão pública. “Essa lei leva que trata da conduta ilícita é de 1992, prevendo várias penalidades às pessoas que se comportam de maneira desonesta, imoral e indigna direcionada diretamente à gestão pública. A lei  sobre a conduta ilícita vem sendo utilizada como um importantíssimo instrumento para o combate ao que nós chamamos de corrupção na gestão da coisa pública”, observa Newton Silveira, lembrando que o objetivo é afastar o agente desonesto da função pública.

O promotor acrescentou que não é correto concluir que uma lei com o decurso do tempo se torne ruim. “A ideia de que o que é velho é ultrapassado é muito relativa. Essa lei que trata da improbidade administrativa vinha sendo aplicada com muito sucesso; seu andamento normal e sua aplicação e ao nosso ver, estava em plena  atividade e vigência, não sendo necessária a correção. O que temos que refletir é porque essa lei está sendo reformada. A maneira como está sendo modificada diz muito sobre a intenção dos nossos políticos”, entende acrescentando que as modificações ainda estão na fase de discussão no Senado para depois retornar à Câmara dos Deputados.

Newton Silveira Dias Júnior lembrou que na redação atual, existe a possibilidade de alguém ser considerado ímprobo, desonesto, corrupto, imoral por agir tanto dolosamente quanto culposamente. “Ou seja, tanto quem agiu com a intenção de prejudicar o erário, o patrimônio público; ou quem agiu com irresponsabilidade, com negligência, imperícia e culpa. A proposta da revisão do projeto aprovado na Câmara é de que só há improbidade administrativa se houver dolo, se o agente não praticar o ato com intenção deliberada, não poderá ser acusado de ímprobo, mesmo que tenha agido com imprudência, negligência e culposamente”, enfatiza.

O Congresso em Pauta, sob o comando da jornalista Clécia Carla, é exibido (ao vivo) de terça a quinta-feira, às 9h30, através do canal 5.2, além das redes sociais da Assembleia Legislativa de Sergipe. O objetivo do programa é levar os temas que estão em destaque no Congresso Nacional ao conhecimento dos telespectadores e internautas sergipanos.

Foto: Agência de Notícias Alese

Por Aldaci de Souza

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Sem título
MPSE recomenda que Japaratuba e Pirambu incluam ações e conteúdos sobre direitos humanos e prevenção à violência
Alterado  funcionamento das UBSs de síndrome gripal no final de semana
Universidade Federal lança concurso com 13 vagas para professor efetivo