Aracaju, 1 de agosto de 2021

Assembleia do Movimento Polícia Unida: Policiais e BMs de Sergipe decidiram pelo estado de alerta nos 75 municípios

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Durante a mobilização, os integrantes das forças policiais realizaram uma caminhada até o Palácio dos Despachos. Uma nova mobilização foi agendada para o dia 3 de agosto.

União, indignação e revolta com o Governo do Estado marcaram a 1ª Assembleia Geral Unificada do Movimento Polícia Unida, ocorrida na tarde desta quinta-feira, 1º, na capital sergipana. Mesmo com chuva, o encontro reuniu policiais, bombeiros e apoiadores da luta pelo adicional de periculosidade para estes profissionais da Segurança Pública, como foi o caso do deputado estadual Gilmar Carvalho. Na oportunidade, ele lembrou sobre o comprometimento feito pelo próprio governador Belivaldo Chagas.

“Eu lembro muito bem que o governador disse na Assembleia Legislativa que só iria discutir qualquer coisa com os policiais quando houvesse união da Polícia Militar com a Polícia Civil. A Polícia Militar e a Polícia Civil estão unidas e o governador não quer conversar. Quem é que está errado: é a Polícia ou o governador? O governador alega que na Lei do Subsídio foi retirado o adicional de periculosidade ou qualquer outro adicional, mas quem retira também reinclui na hora que quiser e com apoio da Assembleia. Infelizmente isso ainda não foi proposto”, destacou o deputado estadual Gilmar Carvalho.

Em determinado momento da Assembleia, os policiais e bombeiros presentes deliberaram sobre o estado permanente de alerta nos 75 municípios. “É importante deixarmos a sociedade ciente de que estaremos de agora em diante em estado permanente de alerta aguardando o próximo passo do Governo do Estado em relação ao nosso adicional de periculosidade. Independente da sinalização e do diálogo com o Governo que ocorrer no mês de julho, estaremos reunidos novamente em Assembleia Geral no próximo dia 3 de agosto. Nossa luta será permanente”, pontuou Adriano Bandeira, presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Sergipe (Sinpol/SE).

Para André Gutierrez, presidente da Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (Cobrapol), a luta pelo adicional de periculosidade é um direito daquele que arrisca a vida todos os dias. “A Cobrapol se importa com a luta do policial civil em todo o Brasil. Esse movimento unificado é importante porque busca sacramentar um direito que é inclusive constitucional: o adicional de periculosidade. Isso tem que ser regulamentado, tem que ser pago da maneira correta porque o policial civil corre esse risco diariamente, estando ou não de serviço. Ele é policial 24 horas, não apenas ele como todas as outras forças de segurança do movimento Polícia Unida. Quando o pleito for conquistado, será um dia histórico para os policiais de Sergipe”, ressaltou.

Diálogo com Belivaldo

Em meio à Assembleia, os policiais e bombeiros presentes decidiram realizar uma caminhada até o Palácio dos Despachos. Em encontro com o governador Belivaldo na residência da senadora Maria do Carmo, os integrantes do Movimento Polícia Unida ouviram que até o final do mês de julho haverá diálogo com o Governo sobre o tema. Entretanto, as entidades representativas do Movimento preferem não criar expectativas e sim cobrar atitudes práticas por parte do governador. Houve diálogo, mas ainda não houve nenhuma movimentação para resolver o problema.

Para o Soldado Prisco, deputado estadual da Bahia, essa união entre as diversas categorias de profissionais de Segurança Pública é marcante no país. “Estou muito feliz em ver essa união, força e coesão aqui em Sergipe. Mesmo com chuva, os policiais e bombeiros compareceram e essa luta simboliza a justiça. Eles não estão pedindo nada a mais do que o direito deles. Essa gratificação pelo risco de vida que eles correm já deveria ser algo obrigatório. O Governo deveria era ter o prazer de pagar isso, porque a vida do policial não tem preço”, reforçou o parlamentar.

Sindicato da Bahia presente

Quando a luta é legítima, a união e o companheirismo sindical fazem parte da jornada. Durante a Assembleia, o Sindicato dos Policiais Civis do Estado da Bahia (Sindpoc) enviou representante para apoiar a luta coletiva. “Essa união é que fará com que nossos políticos sejam sensíveis para que nós tenhamos reconhecimento daquilo que é direito nosso. Quando a gente se une no mesmo propósito fica mais fácil para dialogar e seguir em frente lutando. O importante é não desistir nunca”, finalizou Alfrenito Moreira Bispo, integrante da diretoria do Sindpoc.

O deputado estadual de Sergipe Capitão Samuel e o vereador de Aracaju Sargento Byron também estiveram presentes na Assembleia Geral do Movimento Polícia Unida.

Fonte e foto assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Belivaldo assina Ordem de Serviço da  etapa 2ª do Canal Remanso
Quinto dia de greve conta com caminhada e apitaço em Maruim
Belivaldo elogia trabalho de André e diz que Edvaldo foi feliz na parceria 
Motoristas de carro fumacê são capacitados pela Funesa